terça-feira, 6 de junho de 2017

Trabalho feito não mete pressa

Ganho mais consciência das rugas e dos anos que já passaram quando dedico parte do meu tempo livre a procurar uma foto decente da minha única avó viva para constar no obituário dela quando chegar a hora.

É um assunto deprimente mas que sou obrigada a prestar atenção para prevenir.

Quando a minha média anual deixaram de ser casamentos e batizados e passaram a ser funerais vejo o quanto breve é a nossa passagem por cá e que de nada valem os problemas que nos ocupam.

1 comentário:

Cidchen disse...

Mesmo. Verdade essa de que a nossa passagem por cá é mesmo curta.