segunda-feira, 29 de maio de 2017

[[ 31 dias ]]

Atingi a meta dos 31 dias macrobiótica e, apesar do peso perdido e difícil de recuperar, já noto algumas diferenças significativas:

- ausência das habituais dores de cabeça (as únicas que tive foi por falta de descanso);
- a celulite que ganhei o ano passado durante os tratamentos intravenosos desapareceu e nunca tive a pele tão lisa e firme;
- acne desapareceu (e nos últimos meses era uma constante);
- a queda de cabelo parou (ou isso ou o cabelo curto psicologicamente afeta-me menos);
- as minhas unhas estão fortes e a crescer sem se rasgar;
- o meu corpo está a trabalhar num perfeito relógio biológico;

Mas nem tudo são rosas, e os nervos continuam à flor da pele:

- continuo a sonhar com bolos e bolachas;
- desde que retornei ao trabalho sinto mesmo falta do café (devido à carga social que lhe imputei nos últimos 4 anos, é aquele intervalo só nosso);
- estou farta de cozinhar;
- ando mais cansada e irritadiça (de ter mais trabalho e ter que preparar o que vou comer com muita antecedência);
- odeio trigo sarraceno e está na minha lista de produtos obrigatórios (ando em testes em panquecas mas como não posso usar fermento saem uns crepes mais grossos que levo para o lanche misturados com fruta cozida com uma pitada de sal);
- é uma alimentação cara (ando a juntar talões numa caixa);

Mas 31 dias ainda não é nada e estou confiante que o sacrifício terá resultados!

domingo, 28 de maio de 2017

I feel music # 21

Num daqueles dias deprimentes, em que tudo parece existir mas nos tirar do sério, sento-me ao computador a contar os segundos para o desligar e acabo por esbarrar nisto...



O meu filme preferido de 2016, que já revi meia dúzia de vezes e tem um soundtrack glorioso!!

Que levou a isto...



E ao ler a letra percebi a associação

"These mist covered mountains
Are a home now for me
But my home is the lowlands
And always will be
Someday you'll return to
Your valleys and your farms
And you'll no longer burn to be
Brothers in arms

Through these fields of destruction
Baptisms of fire
I've witnessed your suffering
As the battle raged high
And though they did hurt me so bad
In the fear and alarm
You did not desert me
My brothers in arms

There's so many different worlds
So many different suns
And we have just one world
But we live in different ones

Now the sun's gone to hell
And the moon riding high
Let me bid you farewell
Every man has to die
But it's written in the starlight
And every line in your palm
We're fools to make war
On our brothers in arms"

"Brothers in Arms" por Dire Straits
 

sábado, 27 de maio de 2017

Weeding day





Mais um dia de festa! 
Vinda eu de uma família de 14 primos, casamentos têm sido festas pontuais (ah, e batizados), desta o primeiro casamento que elas foram na vida.
Caso para se dizer "primeiro estranha-se e depois entranha-se".

Parabéns Vera e Flávio pelo dia maravilho que partilharam connosco!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Há cactos e cactos

E há cactos que não são benéficos como o Aloé Vera...



Como boa neta que sou lá vou dando uns jeitos na casa dos meus avós maternos, uma casinha catita com quintal lá na aldeia a precisar de muito amor e carinho (dinheiro e mão de obra barata... eu).

Sabiam que a seiva destes cactos pode provocar alergias?
Eu agora sei, isso e a quase 1 semana a tomar anti-histamínicos, a coçar-me toda com borbulhas nos braços e pescoço.
E eu que dizia: "Vou guardar alguns rebentos e replantar, ficam giros!", ao fim de umas horas só desejava um jarricano de gasolina e um fósforo.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Heis a questão


Será falta de ferro?

Ou será falta de fé?

Fiz este pequeno marcador a pedido da minha professora de yoga e agora acompanha-me todos os dias, para eu tentar descortinar se a minha falta de ferro não será acima de tudo falta de fé!

terça-feira, 23 de maio de 2017

Semanas depois

O saco já ficou pronto ontem à noitinha e as saudades já se fazem sentir. 

Com os anos (e o facto de partilhar casa com um desportista) comecei a sentir necessidade de fazer algo físico para além do meu corre-corre diário e a minha "hiperatividade" não diagnosticada. 

Já lá vai mais de meio ano que abandonei a piscina e me dediquei às caminhadas que se tem demonstrado muito mais aliciantes: ar livre, sol, natureza, arejar as ideias e suar que é a maneira natural de limpar tudo o que vai cá dentro.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Rescaldo do fim-semana

Uma publicação partilhada por Gabriela Oliveira (@gata_da_lua) a



Vai começar a ser tradição familiar, aniversário da mãe significa ida ao Festival de Leiria.

E a grande das revelações foi David Fonseca, um espetáculo grandioso! 
As miúdas andaram as últimas semanas a ser musicalmente educadas para Xutos & Pontapés mas o David conquisto-as, resumo os Xutos já estão a ficar cansados destas andanças e falta-lhes a genica de outros tempos.

domingo, 21 de maio de 2017

I feel music #20



1 mês em casa e na onda dos filme "on repeat" acabei por ver "Ella Encantada" umas 3 vezes e acabei mesmo por dançar em coreografia.

"So don't misunderstand me
You put the light in my life
You put the sparks to the flame
I've got your heart in my sights"

sexta-feira, 19 de maio de 2017

19 anos depois e insatisfeita



19 anos a pintar o cabelo terminaram por completo em 2017.

No início da minha baixa médica dei o "corte" mas como não fiquei plenamente satisfeita pedi para me cortarem o resto da franja que sobrava e agora posso sarcasticamente pentear o cabelo à "men".
Ele parcialmente careca e eu pixie style...
Este é o estado da minha nação.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Combinações que tenho saudades


Hoje deambulava pelas minhas fotos por arquivar e salivei diante destas dos meus lanches "antes baixa médica" que levava para o trabalho.
Papas de aveia cozidas com casca de limão, pau de canela, pedaços de marmelada de morango e morangos e envolvidas em sementes de chia.
Na hora do lanche acompanhado de uma mini barra de chocolate 80% cacau...

Agora posso limitar-me às papas com fruta da época adoçado com geleia de arroz, não deixa de ser bom mas já não é a mesma coisa.

terça-feira, 16 de maio de 2017

8/2017



Título: Romeu e Julieta
Autor: William Shakespeare
Pontuação: 4*
 
"Romeu e Julieta já não são apenas os nomes dos protagonistas da peça shakespeariana, mas identificam ícones intemporais do amor romântico, tornando-se sinónimos de jovens apaixonados, universalmente reconhecidos e glosados." retirado de wook.pt
 
Para mim...

Desafio de Leitura 2017 - "Livro Clássico da Literatura"

Sempre o imaginei mais apaixonante como nos diversos filmes que já existem realizados sobre o mesmo manuscrito. Aliás até achei a história bastante parca de detalhes e conclui que os filmes que vi florearam em muito o famosíssimo romance de Romeu e Julieta.
Foi a primeira vez que li uma obra em formato de peça de teatro e transcrevo uma das partes mais apaixonantes da obra (que aparece também na saga Twilight):

"Olhos, vede mais uma vez; é a última. Um abraço permiti-vos também, ó braços! Lábios, que sois a porta do hálito com um beijo legítimo selai este contrato sempiterno com a morte exorbitante."
 
E está gravado no meu subconsciente cada vez que se fala em Julieta eu começar a cantarolar isto: 
 
"O amor de Julieta
É o Dartacão
E ela é a predileta
Do seu coração"

segunda-feira, 15 de maio de 2017

37 e agora?

Macrobiótica;
Quase careca;
Doença de sangue;
2 filhas quase adolescentes;
1 marido com pouca paciência;
1 família que "Deus me livre";
8 gatos;
Trabalho de criar ainda mais cabelos brancos;
2 casas para tomar conta;
E uma vontade avassaladora de fazer as malas e ir para a Jamaica sozinha...


E o que é que eu faço no meu dia de anos fora do normal?
Uso luvas em tudo o que faço só para não lascar o verniz amarelo canário e a prenda mais espetacular e original que recebi (e que deu cabo da minha dieta) foi uma fartura do Penim em plena Feira de Maio.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Festival da Primavera

Organizado pela Escola de Música da Marinha Grande e em que pude atestar em primeira mão que graças a Deus os dotes da Joana para a bateria ainda vão muito verdes.




Vou salvar os meus ouvidos mais uns tempos.

Mas não sei porquê assemelhou-se muito à Fanfarra dos Bombeiros. AHAHAHA

quarta-feira, 10 de maio de 2017

"Estupidezes"

Tentar resgatar um gato abandonado como se isso fosse atenuar o facto de estar doente em casa... mais um para limpar energias negativas.
Mas escolhi um que não queria ser resgatado (pelo menos por mim).


Não consegui perceber, no calor do momento, se fui mordida 1 ou 2 vezes.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Nova série do momento


Uma série de terror para animar os meus dias de baixa médica aqui por casa.
Nomeada para vários prémios que vão desde melhor atriz, melhor série televisiva de terror a melhor performance de ator jovem.

E há rumores que o Cliff Curtis vai entrar no elenco dos próximos 4 filmes de "Avatar".

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Bullshit

A gíria popular tem a mania de dizer este chavão:

"As crianças são o melhor do mundo!"

A minha opinião está no título...

domingo, 7 de maio de 2017

I feel music #18



Estar a vegetar em casa faz com que veja filmes pela centésima  ve,z não por falta de opção mas por puro aborrecimento.
Iron Man tem sido um deles e vejo até à última letra que atravessa o écran enquanto trauteio...

"Nobody wants him
He just stares at the world
Planning his vengeance
That he will soon unfold"

sábado, 6 de maio de 2017

O corte

O contador aqui do lado direito desapareceu com 1 mês de antecedência e o meu cabelo ficou espalhado no chão da casa de banho aos montes.
Com o agravamento do meu problema de sangue (ou melhor com os tão baixos níveis de cenas no meu sangue) o cabelo caia-me imenso e tive que optar por cortar uma vez que estava a ponderar mais um tratamento.
Já não me via voltar a ter cabelo curto depois de tantos anos sem ele...



O engraçado é que parece que veio na altura certa, o curto e o branco encaixam nesta minha nova mentalidade como ouro sobre azul.

Já me perguntaram se tinha feito madeixas...

Agora entro na jornada de deixar crescer tanto branco e ver se ele ainda vai encaracolar ou que raio de jeito novo vai ganhar desta vez.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Sem palavras....



Tenho completa noção que as minhas faculdades mentais decaem dia para dia em que fico em casa quando chego ao ponto de passar uma manhã a limpar com um pano húmido as folhas das suculentas, mudo a terra aos vasos todos e ainda faço uma armação vegan para o cebolinho.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

1 semana após macrobiótica

Estou muito mais magra;
Ressaquei o açúcar;
Passei fome;
Chorei (e tive acessos de raiva);
Desesperei;
Juntei os cacos;
Sonho com pão;
E hoje foi a primeira refeição em que me senti plena e acho que não fugi ao plano restrito que tenho que cumprir.

Devagar eu chego lá!!
Persistência para além de mau feitio é outro dos meus apelidos.

Retirado daqui.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Relação homem/mulher



Como um marido pode fazer uma mulher feliz ao fim de quase 11 anos de uma relação a dois: 

“Eu faço-te uma cozinha em ilha”

Até me chegaram as lágrimas aos olhos, foi tal como se ele tivesse dito que eu era a única mulher da vida dele...

terça-feira, 2 de maio de 2017

7/2017






Título: A mulher em branco Autor: Rodrigo Guedes de Carvalho
Pontuação: 2*

"Uma criança desaparece. Estava à guarda do pai. O choque da notícia atira a mãe para um abismo de amnésia. Sem memória, é incapaz de chorar um filho que não sabe que tem. Como podemos continuar a viver se caminhamos vazios. E há um homem que arranja uma amante enquanto visita a mulher no hospital. Ladrões que roubam cinzas de uma morta. Há as maldades desumanas do amor, um sopro pérfido que o diabo sussurra aos ouvidos. Em fundo, a irracional violência do divórcio. A bestialidade das palavras que atiramos uns aos outros como pedras. Uma mulher que espera ainda e sempre, à janela. Porque o coração é um bicho e não ouve. E uma pergunta a que não se ousa responder: Para onde vão os amores que foram um dia?" retirado de wook.pt


Para mim...

Desafio de Leitura 2017 - "Livro de autor português"

Vou proferir uma enorme barbaridade mas é tão raro eu gostar de livros de autores portugueses, tão raro que nem me estou a lembrar de nenhum assim de momento.
Não gostei da história, não gostei do modo de escrita, não gostei do palavreado usado que falando bom português era porco.
O meu estado de espírito já anda em baixo e este livro ainda veio acentuar mais a nuvem negra que me persegue.