sábado, 2 de abril de 2016

Politicamente correto

Quem lê o que vou escrevendo com regularidade já deve ter notado que tenho uma certa afinidade com a minha filha mais velha, primeiro porque já é uma adolescente à qual me permito mostrar um pouco mais do que ela é...depois porque se está a tornar numa autêntica sósia minha.
Dada a minha recente mania de arranjar músicas para todas as situações (no trabalho já me pedem: "Gabriela não cantes, por amor de Deus!") heis que a mais velha num dia em que andava a aspirar lhe escutei esta pérola:

"Estava a assar sardinhas
Com o lume a arder
Queimei o pénis sem ninguém saber.
Se fosse outra coisa eu não me importava,
Mas era o pénis que eu tanto estimava."

Conclusão que retirei foi que incutir o politicamente correto desvirtua em muito o real sentido de uma música tão popular.

Sem comentários: