terça-feira, 31 de março de 2015

segunda-feira, 30 de março de 2015

E ontem foi assim...







Levantar às 5h30 da manhã, passar o dia fechado num pavilhão mas ele trouxe o 1.º lugar novamente para casa.
As opções também eram escassas: ou era o primeiro lugar ou levar uma coça de 3 mulheres... 

domingo, 29 de março de 2015

Louvar ao domingo - 13.º


Mais de 8 anos de pleno sofrimento!
Eu ainda não consegui perceber é qual dos dois da foto é que tem mais problemas naquela cabeça...

sábado, 28 de março de 2015

Tratar do corpo

A semana passada tratamos da alma,, esta semana vamos tratar do corpinho.
Para onde vai um vão todos! 
É o lema cá de casa.
Este fim-semana vai ser por aqui...


sexta-feira, 27 de março de 2015

quarta-feira, 25 de março de 2015

Como aborrecer criancinhas - parte 3.258

Explicar a uma criança de 5 anos que está de férias da escola:
"- Beatriz, tu agora estás de férias da Páscoa, por isso não tens escola!
 - Está bem!
 - Ficas com a avó.
 - Está bem!
 - Almoças lá com a avó, ajudas a avó em casa e portas-te bem.
 - Está bem!
 - E vais mais a avó à Igreja e ajudar lá nas coisas da Igreja...
 - Ó boooass!" (traduzido para português "Ó bolas!")

segunda-feira, 23 de março de 2015

05/2015



Autora: Dalai Lama
Pontuação: 5*

"Sua Santidade o Dalai Lama visitou Portugal em 2001. Desde então os seus milhares de seguidores absorveram com esperança as suas palavras budistas que servem de inspiração a todos os que procuram bem estar físico e psicológico. Este livro reúne palestras proferidas por Tenzin Gyatso em Nova Deli, ao longo de nove anos, e inclui reflexões para o novo milénio. Através da bondade e transformações interiores podemos atingir o caminho da felicidade, da compaixão e da não-violência, advoga o líder espiritual. Mais uma leitura complementada por uma introdução histórica que convida a um estádio superior de espiritualidade, paz e harmonia." em wook.pt



Uma leitura/estudo de acordo com o que sinto agora, o que preciso agora e o que quero daqui para a frente.
Deu direito a meio caderno cheio de apontamentos e uma cabeça recheada de novas definições do que é viver melhor. 

domingo, 22 de março de 2015

quinta-feira, 19 de março de 2015

Dia do Pai

Primeiro dia oficial do Pai cá por casa.

Momento a destacar: a Beatriz chorou baba e ranho porque pensava que o pai não ia à escola.
Literalmente o Hugo encontro-a lavada em lágrimas.

Vamos poupar no papel e na água do wc durante uns dias :)

quarta-feira, 18 de março de 2015

[[ Farmer ]]

Os filhos nasceram para ser um apêndice dos pais e os ajudar..



Assim foi um dia de férias na agricultura com a minha mãe!

segunda-feira, 16 de março de 2015

"O Senhor é o meu pastor, nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas.
Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.
Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.
Certamente que a bondade e misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias." 

Salmo 23 do Novo Testamento dos Gideões Internacionais


Faz-me sempre lembrar uma das músicas favoritas da minha mãe.

domingo, 15 de março de 2015

Louvar ao domingo - 11.º


Desafiar-me e ir um pouco mais além.
Fazer algo de novo e sentir que fiz algo de que me orgulho.
O meu primeiro fantoche nas mãos da Joana.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Me, myself and I


A passos de fazer 35 anos, casada quase à 8, mãe de 2 filhas, é assim que me apresento para a vida!

quarta-feira, 11 de março de 2015

Filmografia



Título: Paixões Proibidas
Ano: 2013
Género: Drama / romance
Duração: 112 min.
Realização: 
Anne Fontaine
Intérpretes: Naomi WattsRobin WrightXavier Samuel 
Ratings: 6.2/10

"Os anos passaram, mas a amizade de Roz e Lil não se alterou. Depois de o destino as ter reunido, elas passam algum tempo juntas num lugar paradisíaco com Ian e Tom, os respectivos filhos, que representam para elas a extensão de si mesmas, na sua beleza e juventude passadas. Fragilizadas e ainda a recuperar das suas relações anteriores, cada uma delas acaba por se apaixonar pelo filho da outra. E, apesar do preconceito inerente àquela situação inesperada, os quatro acabam por ceder à atracção, vivendo uma apaixonada história de amor. Porém, terá esse amor força suficiente para ultrapassar as dificuldades que, inevitavelmente, acabarão por surgir?
Realizado por Anne Fontaine, um drama baseado no conto "The Grandmothers", escrito, em 2003, pela escritora inglesa Doris Lessing, laureada com o Nobel da Literatura em 2007" retirado de Público


Para mim... (5 estrelas)
O melhor filme visto este ano, revisto já 3 vezes.
Uma história apaixonante, onde a luta contra os preconceitos da nossa sociedade dita a felicidade e infelicidade das personagens.
A lealdade das duas mães em partilhar o seu afecto pelo filho uma da outra, a sua tentativa de os filhos serem felizes numa relação saudável.
Mas existem regras para sermos felizes? Um protocolo? Parâmetros?
Só nós no nosso interior sabemos o que nos faz feliz, mesmo que vá contra tudo o que esta sociedade nos tenta estandardizar. 

terça-feira, 10 de março de 2015

Como aborrecer criancinhas - Parte 3214

"- Mãe isto é sopa de quê?
 - É sopa de legumes passada.
 - Que legumes?
 - Restos...
 - Restos de que legumes?
 - Restos disto, restos daquilo... se vires bem achas aí a ponta do rabo do gato!"

Nos dias em que não me convêm que elas saibam o que ando a enfiar na comida, porque se elas soubessem do que eram os restos acho que nunca mais comiam sopa na vida!

domingo, 8 de março de 2015

Louvar ao domingo - 10.º



A minha companhia de ontem à noite no Teatro Stephens, em companhia feminina e conversa até às tantas.
Quem não conhece vale muito a pena, deliciosa música.

quinta-feira, 5 de março de 2015

quarta-feira, 4 de março de 2015



"Cobrar dez cêntimos por cada saco de plástico, nos supermercados, talvez contribua para salvar o ambiente, mas a grande medida ecológica já tinha sido tomada: fazer com que os portugueses não tivessem dinheiro para comprar aquilo que depois se transporta no saco de plástico. É um facto comprovado que as pessoas usam muito menos sacos de plástico quando não têm o que pôr lá dentro. Ao longo dos últimos anos, os portugueses têm sido mesmo muito amigos do ambiente. Tendo em conta o seu poder de compra, conseguem ir às compras de pochete. E ainda sobra espaço.
Quem tenha acumulado sacos de plástico, no tempo em que eram gratuitos, possui agora uma pequena fortuna. Sacos que não valiam nada, de um dia para o outro passaram a valer algum dinheiro. Exactamente como as acções do BES, mas ao contrário.

Muitas pessoas afeiçoam-se a coisas como sacos de plástico e depois têm dificuldade em lidar com a perda. Uma medida que abale o regular usufruto dos sacos de plástico pode perturbar mais a vida destas pessoas do que um corte no salário. Refiro-me, por exemplo, às pessoas que guardam bugigangas em gavetas enquanto dizem, com uma certa volúpia, "isto pode dar jeito". Isto é alta sociologia, como o leitor bem sabe. Este tipo de pessoas existe mesmo, e há uma possibilidade grande de o leitor pertencer ao grupo. Eu, infelizmente, não pertenço - até porque sou um desses indivíduos que "nem para si é bom". Depois, apresentam-se-me situações em que me davam jeito certas coisas, mas infelizmente não tive o discernimento de, na altura própria, as guardar numa gaveta. Deve consolar-nos o facto de estas pessoas terem guardado tantos sacos, ao longo do tempo, que só terão de dar 10 cêntimos por um em 2025.

Quando eu era pequeno, a minha avó levava o seu próprio saco para ir às compras. Creio que era uma prática comum: toda a gente levava o seu saco. A minha avó não lhe chamava saco, porque era de Viana do Castelo, e do Douro para cima os sacos mudam de género e passam a ser sacas. Regressamos agora ao tempo em que se vai de saco para o supermercado. Curiosamente, em alguns aspectos o mundo foi mudando de volta para aquilo que a minha avó achava que o mundo devia ser. Espero sinceramente que o mundo pare de fazer as vontades à minha avó. Se o mundo continuar a transformar-se naquilo que a minha avó gostaria que o mundo fosse, mais cedo ou mais tarde serei obrigado a levantar-me cedo. E a arranjar um emprego a sério. Isto das sacas chega."

Retirado de Visão.

Não pude deixar de partilhar!

segunda-feira, 2 de março de 2015

04/2015

Boa média Gabriela, muito boa!!


Autora: Shannon Hale
Pontuação: 5*


"Jane Hayes é uma nova-iorquina de trinta e poucos anos que aparentemente não consegue ter sorte na sua vida amorosa. Não que isso pareça incomodá-la, já que nenhum homem poderá alguma vez sobrepor-se à sua obsessão secreta por Mr. Darcy, tal como foi encarnado por Colin Firth na adaptação da BBC de Orgulho e Preconceito. Quando uma tia-avó lhe deixa em testamento umas férias em Pembrook Park, um lugar que proporciona a admiradores de Jane Austen a oportunidade de viverem durante algumas semanas como se estivessem em 1816, os seus sonhos parecem bastante perto de se tornarem realidade. Mas conseguirá a ilusão estar também à altura das suas expectativas?" em wook.pt


Dos primeiros livros que li que o filme é uma reprodução quase fiel.
Porque eu acredito que para todas as mulheres existe um Mr. Darcy neste mundo, aquele homem que nos tira do sério e nos faz perder a paciência mas que no fundo são desafiantes e interessantes.

domingo, 1 de março de 2015

Louvar ao domingo - 9.º

Acordar de manhã e ao sair de casa achar uma moeda no meio da rua.
Por mais pequena que seja coloca-nos sempre um sorriso na cara.