quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2015 em revista



Eu prego as coisas nas paredes... 12 meses alfinetados à espera de serem embalados e dar espaço para o novo ano.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

School Trip

Porque depois de um funeral, o primeiro delas, nada melhor que não mudar de tema para cimentar conhecimentos que tenham ficado ainda ao de leve do dia anterior.



Assim rumámos à Cordoaria Nacional e passámos umas horas a ver pessoas mortas completamente dissecadas ao mais ínfimo pormenor.
Até eu esclareci umas quantas dúvidas.

E para quem ficou chocado com a afirmação de uma criança menina em pleno Ikea em hora de ponta, informo que deviam ter analisado com carácter científico o que ela disse: "Estou cheia de nervos!".
Sim, ela está cheia de nervos por todo o corpo. 
Não, não é uma doença feminina onde os homens gostam de descarregar as nossas neuroses que não entendem.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

"A vida não é triste, tem apenas horas tristes"

Li esta passagem algures na internet enquanto deambulava, fora de horas, perdida e ficou-me presente não sabendo explicar o motivo.

A morte é uma dessas horas tristes.

Hoje vou enterrar mais uma parte de mim, do que me trouxe ao mundo, do que tenho a agradecer a mulher que sou.



Sou protegida por um exército de anjos da guarda que me têm amparado nos momentos mais difíceis, partilhado as alegrias e limpo as lágrimas.
Avô, és mais um guerreiro ao meu lado até ao fim dos meus dias.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Fim de 2015

2015 foi um ano que me ensinou muita coisa a todos os níveis.
Estou proibida de dizer que foi um ano mau, por isso emprego o termo de "desafiante"!
2015 foi um ano super desafiante para mim.

Aprendi que o amor vem da nossa capacidade de perdoar;
A raiva faz parte de nós e só nós temos poder sobre ela;
As palavras depois de ditas nunca mais poderão ser retiradas;
Amor declarado é para sempre amor;
Dar tudo não é amor;
Saúde é a nossa maior dádiva;
A família afinal não é tudo;
Saber dar sem querer em nada em troca por vezes é muito difícil;
As ações são em vida e não chorar depois da morte;
Dizer o que sentimos a todo o momento traz problemas;
Procurar ajuda sempre que sentimos que precisamos de ser ajudados;
Chorar limpa a alma;
Agradecer mais vezes cada dia que acordamos para o mundo;
Basta uma pessoa para estragar tudo;
Saber escolher o momento e as pessoas a quem nos queremos impor;
Aprender a perdoar todos os dias;
Orgulhar-me mais do que sou;
Amar mais, perdoar mais, calar mais; dar mais, viver mais...


Mas ainda que..
Enviar correio para a Guatemala é o mesmo que o mandar para Marte;
Prometer 2 chapadões a um chefe não é boa política;
Ou até dizer que "não me pagam para ser tão pró-ativa";
Esconder papéis ao chefe por pura malvadez paga-se em vida;
Despejar o quarto da criança para um saco do lixo só porque a avisei 200 vezes traz despesa;
Andar a fazer rally de carro na lama não é coisa que se consiga esconder sem o lavar;
A roupa interior faz parte necessária da indumentária;
Assistir a aulas de hidroginástica repetidamente traz má reputação;
Ir a dançar pelas ruas da cidade a ouvir música traz má reputação;
Rir-se quando a criança se espalha traz má reputação;
Obrigar o marido a saltar de avião traz despesa acrescida;
As tatuagens não são para mostrar descaradamente;
Mandar as pessoa para a p*** que as deu à luz alivia;
O cabelo tem personalidade própria a não contrariar;
Comer peixe faz mal aos dentes;
Acupuntura é fixe quando se leva as filhas;
Vomitar no lava louça não é fixe;
Nunca deixar uma máquina fotográfica à guardar de uma criança;
Desamigar pessoas e dizer sempre que foi culpa do programa;
Comer com uma régua porque nos esquecemos dos talheres;
Chamar vampiro à enfermeira nem sempre é de bom tom;
Dançar no hospital traz má reputação;
Dizer que adotei todos os que vivem comigo traz má reputação...


Que 2016 me trago o que ainda não consegui alcançar em 2015 e me dê o discernimento de regrar o que desplotei durante este ano.
A minha busca de mim continua por mais um ano.
São mais 366 dias de descoberta e aventura como nos votos de um casamento: na saúde e na doença, na pobreza e na riqueza.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

W.I.P.




terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Dias, dias, dias, dias

Às voltas com 301 mensagens só para me informarem que o meu pedido para exame médico foi aceite.
Não bastava somente uma a dizer que já posso ir fazer a dita ressonância magnética aos pirolitos e desembolsar uma soma considerável?

Mas o que me assusta não é o telemóvel sempre a apitar, é o facto de estar próxima a hora de se comprovar que eu provavelmente vou poder deixar de brincar dizendo que sou maluca.
E se virem mesmo que é só "black holes" nesta cena que trago em cima do pescoço?
Para onde vai o meu humor negro que sustenta a minha integridade psicológica?

É que já nem coisas fantásticas ao domingo há!
Porque afinal o domingo só começou lá para a tarde após eu ter conseguido expelir (por diversas vezes) o jantar do dia anterior.
Duvido que me voltem a convidar para jantares de Natal se souberem que no dia seguinte mando toda aquela comida por "el cano".

E ainda sou gozada! Por duas criaturas que andam por aqui a correr e que fazem apostas se vou vomitar ou não...

A minha honradez anda como a coca-cola zero.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Jantar de Natal √



Algures por aqui.
Se não aparecer mais é porque não achei senhoras simpáticas para ligarem para casa para alguém me ir buscar.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Parar e refletir

Estão a ver aquelas situações das quais só hipoteticamente falamos nelas porque pensamos que nunca vão acontecer?
Desenganem-se porque acontecem.

Ir parar ao hospital, ter que passar lá a noite e ter alta precisamente às 8h da manhã.
Pés cá fora e a realidade era o frio gelado de Inverno.
O que pensamos que nunca acontece, acontece realmente... sem telemóvel, nenhum telefone público se encontrava a funcionar, nem 1 único táxi no parque.
Estive sentada num banco gelado das urgências do hospital a regelar a pensar que a única opção era ir a pé até à rodoviária (isto até seria viável se não fossem as dores).

Mas existem anjos!

E o meu foi a administrativa da secretaria da Urgência Pediátrica que ligou para me virem buscar.
A essa senhora maravilhosa deixo aqui o meu maior agradecimento por ter evitado que eu tivesse sido encontrado morta e geladinha numa valeta.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Dúvidas existênciais

Será que possa adaptar como tipo de letra em todos os documentos lá do trabalho a "Jane Austen"?
Não sei, é só uma dúvida que se me colocou hoje...

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

22/2015


Nome: Yoga para nervosos
Autora: Hermógenes
Pontuação: 2*


"Pioneiro em Medicina Holística no Brasil, Hermógenes foi criador do Treinamento Antidistresse, do método Yoga para Nervosos e colaborador (com yogaterapia) da 32ª Enfermaria da Santa Casa (RJ). O autor divide o seu tempo no trabalho na Academia Hermógenes, na publicação de livros, na produção de artigos para a imprensa, na organização de cursos, seminários e teses para congressos científicos, além de ainda exercer as actividades de conferencista e escritor." em wook.pt

Para mim...
Em nada veio acrescentar ao que já tenho lido sobre o assunto.
Demasiado religioso ao ponto de ser desinteressante, pouco teórico, supérfluo nas explicações do que realmente interessa para quem se decide a ler este tipo de obra.
Engraçado ter retirado pequenos excertos que os posso aplicar atualmente a pessoas que me rodeiam:

"fracas de espírito", ou seja os de personalidade e mente amorfas, vidas inconscientes que buscam segurança, aceitação e prestígio no meio em que vivem, renunciando consequentemente ao dever de serem autênticas. O medo de ser diferente leva o fraco a imitar os do grupo."

"não aceite cabrestos químicos, físicos, psíquicos ou de qualquer outra natureza."

"Os adultos não querem ser chamados de velhos enxeridos e, por medo ao ridículo, aceitam vestir o frustrador camisolão da "respeitabilidade" (às vezes só de aparência) e reprimem a sua autenticidade. É mais uma das manifestações da conveniência de "ser igual" aos outros adultos." 

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Maldição Natalícia

Acho que este é um drama que nem preciso de me alongar em explicações uma vez que já faz parte da minha vida há mais de 8 anos (ou desde que vivo com o gajo... espera aí! Ás tantas a maldição esteja nele e ele trouxe-a cá para casa).
Adiante, que não possuo condições físicas para me divorciar agora.

Ranking Natal 2015

Gabriela - 0 / Maldição - 1

Ainda não acabou Novembro e já levo com uma arca congeladora nova.
Que continuem os jogos e ganhe o melhor...

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Árdua tarefa

Elas pediram cachecóis e gorros e eu não sei por onde começar.
Antes vivia cheia de ideias, revistas e mil e um arquivos e agora não sou capaz de achar um único exemplar que me faça começar.
Será que perdi qualidades ou tenho receio da análise de qualidade da nova clientela?
Life sucks!

sábado, 21 de novembro de 2015

Estou rodeada de pessoas


Com problemas mentais graves, isso preocupa-me.
Nunca lidei muito bem com a concorrência.

Concorrência...

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

"As 50 Sombras de Grey contadas às crianças"

À luz da versão de os Lusíadas deveria ser aplicada a mesma métrica às 50 Sombras de Grey de modo que houvessem menos crianças curiosas pelo que não lhe querem contar.
Algo tipo...

"Era uma vez um rapaz e rapariga que descobriram que gostavam muito um do outro.
Mas o rapaz era meio passado dos cornos e gostava de dar umas boas palmadas na rapariga.
Ela não gostava porque ele tinha mesmo muita força, então acabou o namoro e partiu para outra.
Ele ficou deprimido e passou a ir mais vezes ao psicólogo que lhe disse que ele estava mesmo muito lixado da cabeça.
The end!"

Um resumo simples, acessível e contado aqui em casa porque eu gosto de raparigas bem informadas.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O fim...


Porque tudo tem um começo e um fim e os atuais governos centram-se em demasia na economia e nos números esquecendo o que realmente importa: as pessoas, a natureza e os animais.

Lema este de um partido bem português que tem dado que falar: PAN.

Eu votei!

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Bolachas de aveia e pepitas de chocolate



Quem fez de certeza que reconhece, as prendinhas de Natal do ano passado, agora na versão "feitas".
Cá em casa todos ficaram fãs e volta e meia fazemos uns bons tabuleiros para atestar a despensa.

Muito simples, não muito doces e saudáveis.

250gr farinha com fermento;
150gr flocos de aveia;
100gr pepitas chocolate;
75gr açucar amarelo;
75gr açucar branco;
110gr manteiga amolecida;
1 ovo

Preparação: Misturar todos os ingredientes e amassar à mão muito bem, formar pequenas bolas e espalmar ligeiramente.
Dispor num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno 10 minutos a 180º.
Et voilá!

terça-feira, 17 de novembro de 2015

"Tem alturas que sou eu que preciso de um psicólogo"

Ao ver esta reportagem da Sic Noticias, que por mera coincidência apareceu numa pesquisa, um turbilhão de sentimentos afloraram e pela primeira vez ganho coragem para falar de tudo o que há por detrás dos processos de adoção que não são dados a conhecer a quem neles entra de corpo e alma.
Agora que tudo para mim já passou, 1 ano e meio depois delas terem vindo viver cá para casa, é sem qualquer medo de represálias por parte do sistema que posso falar dos processos fabricados que são apresentados aos adotantes escondendo os reais problemas das crianças, o desapropriado período de conhecimento e interação entre as partes, a extrema falta de profissionalismo/conhecimentos e inclusive tacto das assistentes sociais, os apregoados apoios pelo sistema que não existem, a burocracia, o centralismo na criança excluindo de todo os adotantes, a falta de visão que cada criança é um caso e cada adotante é um ser individual e próprio, não falando dos relatórios finais completamente desfasados da realidade em que é exaltado o esplendoroso trabalho dos serviços sociais na integração da criança chegando mesmo a serem falsos...
Mas todo este processo cansa, satura, retira energia e vontade, que só desejamos que chegue ao fim e, casos como nós, deixamos de fazer frente ao sistema.

O lema prende-se muito com: "Tomem lá as crianças e desenrasquem-se!", pelo menos este foi o nosso caso.
Nunca nos foi dado qualquer tipo de apoio, quer de um conselho ou de outro nível, pelo contrário fomos constantemente julgados por todas e qualquer atitudes que tivéssemos. 
O sistema está habituado que pais adotantes se calem por medo! Medo de represálias, medo que lhes tirem as crianças que eles tanto desejaram e apesar de todas as contrariedades que encontram calam, vivendo em sofrimento o resto da vida.
Nós não fomos de calar, nós gritámos, discutimos, pusemos em causa, acusámos e se houvesse porventura um questionário de satisfação sobre o apoio/serviço o mesmo seria negativo.
Agora que tudo passou deparamos-nos com os problemas que nos foram escondidos, aqueles com que teremos de viver como parte da nossa vida para o resto da nossa vida, como assim o decidimos.

Quem está dentro do sistema conhece mais casos como o nosso, aqueles que nunca falam nas noticias, casos que correram mal, casos de adotantes que pediram apoio e foi recusado, casos de adotantes que foram rebaixados como ser humanos justificando-se o sistema que é  "obrigação adotar".

Em parte alguma do processo me souberam dizer: "Parabéns pela vossa coragem, têm todo o nosso apoio!"

Apesar de tudo o que correu mal, e de tudo o que ainda está para vir e para a qual teremos que ter muita força para ultrapassar, eu adotava de novo. Sem qualquer dúvida ou hesitação.
Porque agora já não estou cega e conheço o sistema quase tão bem quanto ele.

Mas a mágoa deste ano e meio ficou-me marcada como uma tatuagem que nunca sairá da minha pele e o assalto à minha pessoa e à minha casa tiraram parte de mim.
Porque virem estranhos à nossa casa, virarem as gavetas das miúdas e perguntarem quem deu a roupa assemelha-se muito a uma violação...




domingo, 15 de novembro de 2015

Louvar ao domingo - 46.º

Hoje eu sou grata pela bênção de acordar todos os dias de manhã e respirar.
Por mais mau que seja o meu dia ou a minha noite, estou grata pela oportunidade de poder provar que sou capaz e sou melhor por mais um dia da minha vida.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Feeling sick

Umas horas no hospital, uns bons frascos de sangue a menos e parece que trouxe alguma virose do menu de lá.
Dois dias que andei literalmente a arrastar-me!

Perguntaram-me que novos exames tinha ido fazer... sem tabus respondi: exames que vão desde tudo até cancro.

É simplesmente a vida e viver.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

8 razões para ler (livros a sério)

Um artigo que adorei e guardei publicado no SOL sobre o crescente desuso dos livros dando espaço somente aos telemóveis, e-books, chats e em muitos casos ficando-se pelos comentários nas redes sociais. E levanta-se a seguinte questão: há quando tempo não lê um livro a sério? 
A Time elaborou uma lista de 8 razões para se voltar a optar pelo velho e tradicional livro.

"As pessoas que lêem são mais inteligentes: Dr. Seuss escreveu “Quanto mais leres, mais coisas saberás. Quanto mais aprenderes, a mais sítios irás”. Sabia que um livro infantil expõe a criança a mais palavras do que um programa de televisão? É esta a conclusão de um estudo da Universidade de Berkeley, EUA. Estar exposto a novos vocábulos não só faz com que aprendam a ler melhor, mas também permite alcançar resultados mais altos em testes de inteligência.  Para além disso, é essencial que opte por um livro e não um ecrã – ler num dispositivo faz com que fiquemos entre 20 a 30% mais lento, lê-se num estudo da Universidade do Texas.
Ler faz bem ao cérebro: Tal como fazer jogging ajuda a melhorar o sistema cardiovascular, ler regularmente ajuda a melhorar a memória, explica um estudo publicado na Neurology. 
Tornamo-nos mais empáticos: Uma boa leitura pode fazer com que seja mais fácil aproximarmo-nos de outros. Alguns livros, principalmente os de ficção, ajudam-nos a ‘ler’ as emoções daqueles que nos rodeiam com uma maior facilidade, explica uma investigação publicada no site Science.
Folhear ajuda a concentrar: Por incrível que pareça, mudar de página ajuda-nos a contextualizar melhor aquilo que estamos a ler, o que pode proporcionar um melhor entendimento e uma maior compreensão da obra que lemos, explica um texto publicado na Wired.
Pode ajuda a prevenir a Doença de Alzheimer: Quem lê, joga xadrez e faz puzzles tem uma menor probabilidade de vir a desenvolver Alzheimer quando comparando com aqueles que não praticam actividades tão estimulantes, explica um estudo publicado no site da Proceedings of the National Academy of Sciences.
Ajuda a relaxar: Um estudo realizado na Universidade de Sussex mostra que ler ajuda a reduzir o stress em 68%. “Não importa que livro lê. Ao ‘perder-se’ num bom enredo, consegue esquecer as preocupações do dia-a-dia e passa algum tempo a explorar o imaginário do autor da obra” explicou o neuropsiquiatra David Lewis ao jornal Telegraph.
Ajuda a adormecer: Se fizer da leitura nocturna um hábito, o seu corpo perceber que, depois de ler algumas páginas, está na altura de ‘desligar’, explica uma investigação da Mayo Clinic. Ler um livro faz mais pelo seu sono do que um computador ou um tablet – a luz emitida pelos ecrãs faz com que esteja acordado durante mais tempo.
Ler é ‘contagiante’: A maioria dos pais gostava que os filhos lessem mais, mas a verdade é que não fazem muito para que isso aconteça – a maioria deixa de lhes ler histórias quando eles aprendem a ler. Um novo estudo  divulgado pela editora Scholastic mostra que ler em voz alta para as crianças  durante a primária ajuda-as a tornarem-se verdadeiros amantes de literatura. Ou seja, não deixe de lhes ler histórias à noite. Esse hábito só lhes vai fazer bem no futuro." por Joana Alves em SOL


domingo, 8 de novembro de 2015

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

[[ Zona de segurança ]]

Em conversa com uma amiga de longa data concluímos que perdemos a nossa zona de segurança há imensos anos.
Enquanto muitos que nos rodeiam giram em torno do que os faz sentir seguros nós somos obrigadas a partir ao desconhecido em todos os campos da nossa vida: familiar, sentimental, trabalho e até psicológica.
Concluímos que a nossa zona de segurança é em todo o lado porque assim somos obrigadas.

Adaptar é a nossa palavra de ordem.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Shiiuuu

Um gato roeu-me o fio do rato do pc e no mesmo dia entornei chá de raiz de valeriana em cima do mesmo pc.
Será uma mensagem do além?

terça-feira, 3 de novembro de 2015

E todos vendidos na festa

Cozinhar ainda continua a ser das poucas coisas que continuou a fazer em que invento e concentro as mãos!
Embrenhada agora sempre em 1001 atividades que em grande parte envolvem crianças lá vou cedendo aos pedidos delas para participarem em mais alguma coisa.
Falei aqui da festa da Padroeira da cidade em que elas participaram e aqui fica o registo da minha humilde oferenda.




Frasquinhos de doce de pêra com baunilha e chocolate, o melhor que fiz até hoje.
E só regressou a cesta que agora serve para arrumação no quarto da Joana.

domingo, 1 de novembro de 2015

Louvar ao domingo - 44.º


As minhas "happy hours" semanais a assistir às aulas de hidroginástica, venho de lá com um aspecto muito mais saudável.

sábado, 31 de outubro de 2015

A vida é tão estranha...

Meses e tudo em nós muda a uma velocidade alucinante. Gostos, devaneios, conversas até tiques.
Quando tudo em nós se desapega ainda mais e de repente encontramos-nos a rir para estranhos na rua ou fazer cara fechada aos vizinhos do lado.
Cruzamos os braços no trabalho e até jogamos os papéis ao ar num acto de rebelião que nunca seriam de esperar nesta idade.
Mas afinal o que é isto de envelhecer?
Eu juro que me anda a crescer uma vontade avassaladora de ver um concerto do Bieber...

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Farinha 55 versus 65

"TIPO 55- FARINHA SUPER-FINA
Farinha Super Fina tipo 55, é das farinhas mais utilizadas na culinária caseira. É especialmente indicada para a confecção de bolos, bolinhos, tartes, pastéis, massas lêvedas, entre outras.

TIPO 65 - FARINHA FINA
A Farinha tipo 65, farinha fina é a mais utilizada na panificação, caseira ou industrial. O pão branco é o pão que mais se produz a partir desta farinha. Mas não é só para pão que a farinha serve, poderá também, preparar bolos, tartes ou pastéis. " retirado de Lusitana


Há mais ou menos 8 ano que grande parte do pão consumido cá em casa é feito por nós.
Mais prático, mais saudável, mais barato.
Desde pão normal, mistura, de cereais, pães com chouriço, pães mistos, pães de leite, pães de farinha de milho ou até de chocolate, muito já se brincou aos padeiros.
A questão da farinha sempre foi algo que discutimos e testámos.
Todas as receitas e livros sobre pão recomendam o uso da farinha tipo 65 como mais apropriada à padaria e afins
Pessoalmente e muitos anos a testar vários tipos de farinha não achamos qualquer diferença entre as duas farinhas e continuamos a usar a tradicional tipo 55 que para além de ser mais acessível de encontrar é sem sombra de dúvida mais acessível a nível de custo.

O tipo de farinha apenas define o tipo de miolo do pão: mais branco ou mais escuro.


terça-feira, 27 de outubro de 2015

醫院

Amanhã é dia de ir ver para que lado estão a correr as pesquisas no Google lá no meu sítio do costume, chamado Hospital de Leiria.

Autópsia em vida amigos, autópsia em vida e poupavam-me tanto tempo em idas e vindas do hospital! :)

terça-feira, 20 de outubro de 2015

21/2015

Nome: Grey
Autora: E. L. James
Pontuação: 5*


"E.L. James oferece-nos uma nova perspectiva da história de amor que enfeitiçou milhares de leitores em todo o mundo, agora narrada pelo próprio Christian, que nos dá a conhecer os seus pensamentos e sonhos.

Christian Grey quer exercer um controlo férreo sobre todas as coisas, o seu universo é meticuloso, disciplinado e profundamente vazio - até ao dia em que Anastasia Steele dá um trambolhão no seu escritório, numa confusão de pernas bem torneadas e revoltos cabelos castanhos. Ele bem tenta esquecer que a conheceu, mas em vez disso é invadido por um turbilhão de emoções que não consegue compreender… e ao qual é incapaz de resistir. Ao contrário de todas as mulheres que conheceu antes, a tímida Ana parece conseguir vê-lo como ele realmente é - um coração frio e ferido que a faceta de génio dos negócios e o estilo de playboy não conseguem esconder.
Será que possuir Ana será suficiente para que Christian se livre dos horrores de infância que ainda hoje o perseguem, noite após noite? Ou será que os seus negros desejos sexuais, a sua obsessão pelo controlo, e o ódio contra si mesmo que lhe preenchem a alma vão afastar Ana e destruir para sempre a frágil esperança que ela lhe oferece?" em wook.pt


Para mim...
Aos olhos de Grey toda uma história de amor lamechas, e até obsessivo, ganha uma nova dinâmica e paixão muito mais ao meu estilo.
O que efetivamente teria passado pela cabeça de Christian quando Ana entrou aos trambolhões naquele dia de fatídico de chuva? A sua luta existencial para entender o que mudou nele, o que ela mudou nele e o que teria ele de mudar para a não perder.
Para quando o derradeiro filme desta versão?

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Turbilhão no peito

As coisas têm decorrido difíceis, muito difíceis, por mais que amemos o nosso trabalho há sempre um ponto de viragem que nos faz duvidar se a nossa paixão será digna.
Mudam as pessoas, mudam os nossos objectivos, deixamos de fazer o que gostamos e a paixão desaparece.
Cada dia que passa deixamos de nos sentir pessoas, exigem, reclamam, questionam e a pressão torna-se uma constante diária.
Uma pressão que faz com que no final do dia não nos consigamos lembrar de 75% do que fizemos e embalemos à noite na almofada um sentimento de vazio e impotência.

Chegamos a um ponto em que a nossa personalidade define como vamos reagir e a raiva em mim ganha membros, dedos, unhas. Ganha um forma humana.
Eu sou uma forma humana!

domingo, 18 de outubro de 2015

Louvar ao domingo - 42.º









8 anos de casamento 
"Nós somos capazes de coisas incríveis!"



Nota mental: voltar a repetir antes de atacar o Alzheimer

terça-feira, 13 de outubro de 2015

8 anos depois


Nada muda, tudo muda, tudo piora, tudo melhora!
Somos exatamente os mesmos, as fotos são as mesmas, somos os mesmos para a vista dos outros.
Estamos mais velhos, mais pacientes, mais impacientes, cedemos menos ou cedemos tudo.
O mau feitio piorou, não toleramos os outros e o mundo, nós decidimos o que queremos e da maneira que queremos, o que somos e como somos.
Vivemos um dia de cada vez, porque 8 anos deram-nos a clareza de espírito de que poderemos não estar cá amanhã. 
8 anos depois o amor ainda perdura e gostaria de poder cá estar mais 8 anos na companhia dele, porque sem ele isto nunca seria o mesmo.

8... let's go Skydive!

domingo, 11 de outubro de 2015

Louvar ao domingo - 41.º

Descobrir que afinal a religião está a mudar, pelo menos por estes lados.
Agora com as miúdas senti-me impelida a retornar à vida de católica praticante depois de uns anos afastada devido a um choque de ideias aquando do meu casamento.
Hoje elas participaram na procissão da Padroeira da freguesia, eu participei com uma pequena cesta de oferendas para a festa e confesso que uma paz de espírito abunda em mim.



sexta-feira, 9 de outubro de 2015

The winter is coming


Afinal há vida para além da guerra dos Tronos!
3 temporadas em pouco mais de 2 semanas, vivi, respirei e dormi (literalmente) com Tyrion.
E porque os Lannister pagam sempre as suas dívidas... eu tenho umas quantas por saldar com o tempo que perdi a ver isto.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Felicidade nas suas várias formas


Hoje recomeça um novo ano.
De volta às aulas onde tenho o prazer de me partilhar com pessoas maravilhosas.

Namastê

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Perda de identidade

1 ano e 4 meses de luta para não me perder no processo.
Eu que sempre me insurgi agora revejo-me em cada cena e fala como se fosse um filme que eu já tivesse visto dezenas de vezes.
Eu não me chamo "mãe", nem "mãe da Joana" ou "mãe da Beatriz"!
Chamo-me GABRIELA, muito prazer!
Um parentesco não altera o meu nome oficial tal como a minha orientação sexual não define a minha inteligência ou educação.
Por ter adotado o papel de mãe nesta sociedade não quer dizer que passe a viver 200% de mim para elas, elas são um complemento do que quero deixar neste mundo, alguém a quem passar os meus princípios.
Um complemento tal como o é o meu marido que se chama Hugo, ou como eu própria sou o complemento de alguém, uma mãe que se chama Isabel e um pai que se chama Manuel e um complemento do mesmo sangue que honradamente chamo de irmão e que se dá pelo nome de Pedro.

Eu não me quero perder no processo e luto com todas as minhas forças cada dia que passa para não me tornar numa sombra das minhas filhas.

O meu nome é Gabriela!


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

For God's sake, I need a break

200 páginas em que Deus é a cura para todos os nossos males e do mundo e que temos que nos entregar a Deus tive que fazer uma pausa e mudar de tema...estava este disponível.




Nunca fui conhecida por ser uma pessoa muito constante.

domingo, 4 de outubro de 2015

Comida

Doce de pêra com baunilha e chocolate, salada russa, asas de frango com caril, pão de mistura com sementes, bolo de laranja caseiro, sopa de legumes com feijão seco, arroz de legumes com douradinhos, salada de tomate, chá de gengibre, chá de lúcia lima...

E foi um fim-semana muito pacato!

Louvar ao domingo - 40.º


terça-feira, 29 de setembro de 2015

[[ OMG ]]


Já tenho ali para ver.
Será que o Tatum tem mais uns quantos músculos para mostrar? (omg)

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Rescaldo de um jantar

Convívio estritamente profissional com aperitivos à mistura e pessoal que demorou tempo a mais na viagem.
Percurso puramente para maiores de 18 devido à linguagem usada e pagamento no fim da volta.
Uma ementa carnívora em que só eu comi peixinho grelhado com legumes.

Resultado...

Consulta de emergência no dia seguinte: 1 dente reconstruído e outro que requereu também intervenção.

Desconfio que o peixe sofria de uma intoxicação por metais pesados e eu, que sou anti estragar comida ,engoli as partes todas do dente que se partiu sem sequer ter tido a noção disso.


domingo, 27 de setembro de 2015

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Coisas que só acontecem em wc’s no Algarve

Entro desembestada no wc de um restaurante, tipo à “faroeste” fazendo a porta bater na parede e tudo, quando me deparo com uma adulta e um miúdo a olharem estupefactos para mim.
Sorri.
A senhora mete conversa comigo de imediato para eu mostrar a tatuagem do pescoço ao miúdo e pergunta o que é, eu sem paciência para explicar o que são animais mitológicos respondi cordialmente que era um pássaro… a criança rapidamente corrigiu-me dizendo que era uma Fénix.
Sorri.
A minha atenção ficou focada a 200% no miúdo, franzino, encolhido entre o lavatório e o dispensador de toalhetes, óculos extremamente graduados e a incredibilidade de como seria possível ele ter acertado no que era a minha tatuagem quando está totalmente diferente das imagens convencionais representadas pairava na minha mente.
A senhora volta a intervir tocando ao leve no meu braço de modo a chamar a minha atenção:
“-Esta criança tem somente 7 anos, mas uma inteligência muito acima da média. Sabe tudo sobre animais.”
Sorri.
Ela continuou:
“-É uma criança muito especial e tem poderes… ela vê anjos brilhantes quando vai à missa!”
Sorri.
Virei as costas e dei de frosques.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

1.º dia de aulas

O primeiro em que oficialmente sinto que estou embrenhada na onda.
Primeiro estranha-se, depois entranha-se!


Cabelo cortado, calças de ganga e camisa branca
Cada uma ao seu estilo.
Enquanto uma na onda mais justa e menina a outra já numa de rebelde, com calças quase 2 tamanhos acima, dobradas para atravessar as cheias e camisa a ver-se o umbigo.

sábado, 19 de setembro de 2015

[[melamil]]

Dito com uma voz arrastada...

Anos que sofri de insónias, dificuldades em adormecer e heis que descubro esta maravilha dos tempos modernos.
É que nem de umas boas gotas preciso, basta simplesmente lamber aquilo e adormeço no primeiro canto.


P.S. - Mas demorei até descobrir que era aquilo que me fazia adormecer pouco depois das 21h, a mais nova bebe uma colher daquilo e ainda dorme mal, eu lambo o conta-gotas e mal tenho tempo de vestir o pijama.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Apresentações feitas

Terminaram oficialmente as férias e oficialmente tenho duas filhas lindas na escola.
Foi o verão mais agitado de sempre para todos, em que não paramos um segundo e todas as oportunidades eram motivo para conhecer mais um bocado deste nosso canto.
Admito confirmar a velha teoria que filhos adotados acabam por ficar parecidos com os pais adotivos, é verdade.
Expressões, feitio, até cor de olhos e formato de cara, maneira de vestir, gostos e desgostos.
São mudanças fascinantes que cada dia que passa as tornam mais nossas que do mundo onde estiveram perdidas durante anos.


Todos os dias são dias de novos desafios e para nós está a começar mais um.