sábado, 22 de fevereiro de 2014

Sobre a morte

"Não, não quero mais gostar de ninguém porque dói. Não suporto mais a morte de ninguém que me é caro.
Meu mundo é feito de pessoas que são as minhas - e eu não posso continuar a perdê-las sem me perder."
Clarice Lispector (1968)

Chegamos a uma idade em que todos os que amamos nos deixam e o luto começa a ser o nosso estado de espírito.
O luto sou eu...

4 comentários:

Isália disse...

Um dia irei sentir essa dor que sentes agora, e sinceramente não imagino como será... mas a lei da vida é mesmo assim...a vê-los partir e nós ficarmos gostar deles para sempre e a fazer o nosso luto. força amiga...daqui até aí. um beijo no teu coração e no da tua família

Cidchen disse...

Nem me digas nada. Já pensei várias vezes nesse assunto. Tento tanto medo disso.

Cartas a Si disse...

Essas palavras da Clarice Lispector dizem-me muito. Eu não posso dizer que cheguei a uma idade em que todos me deixam, porque me começaram a deixar desde que me conheço por gente, familiares próximos, amigos, colegas de turma, uns de acidente outros de doença. Mas entendo esse sentimento de luto de que falas. Esse buraco negro que a ausência dos que amamos deixa e que nos consome por dentro.

Gabriela... disse...

Obrigado pelas palavras, neste momento são o meu bem mais precioso.
Beijo