terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

[wedlock]

Quando casei havia uma folha no lugar de cada convidado com um texto muito famoso do qual passo a transcrever apenas uma parte: 
"Mas que haja espaços na vossa união e que os ventos celestiais possam dançar entre vós.

Amai-vos um ao outro, mas não façais do amor uma prisão;

Deixai antes que seja um mar ondulante entre as margens das vossas almas.

Enchei a taça um do outro mas não bebais de uma só taça.

Parti o vosso pão ao meio mas não comais do mesmo pão.

Cantai e dançai juntos, mas deixai que cada um de vós fique sozinho.
Como as cordas de uma lira estão sozinhas embora vibrem ao som da mesma música.

Entregai os vossos corações mas não ao cuidado um do outro.

Pois só a mão da Vida pode conter os vossos corações.


E ficai juntos mas não demasiado juntos:
Pois os pilares do templo estão afastados, e o carvalho e o cipreste não crescem à sombra um do outro."
Profeta Khalil Gibran

 Em alguma parte do processo perdeu-se o verdadeiro significado destas palavras...

4 comentários:

Cat disse...

OLá.
Passei para te desejar uma boa semana.
Beijinhos
Cat

Cenourit@ disse...

Esse significado não acaba... o prazo de validade é que se esgota...

Beijocas***

albana disse...

Nós sabemos sempre a teoria toda...pô-la em prática é que não é nada fácil!

NADA MESMO!

Bjinhos

Isália disse...

Uma vez em conversa num jantar de amigas/colegas eu disse "o homem que a gente casa não é o mesmo do qual a gente se separa" ou o homem com começamos a namorar não é o mesmo com quem casamos e tive como resposta que o homem de quem a gente se separa esteve sempre lá, nós é que não queriamos ver! E a cada dia que passa, me convenço que isso é o mais certo!