quinta-feira, 14 de julho de 2011

Vou vos contar uma história

Para vos conseguir explicar o que faço nos dias que correm tenho que vos contar a história deles (isto agora soou um bocado a "ghost whisperer").

A história que vou passar a narrar é verídica mas os nomes são ficção para proteger a identidade dos intervenientes.

'Era uma vez o "ti" Zé, ora o Zé tinha uma casa da qual pagava os devidos impostos  e era um homem de bem. Ora, por infelicidade da vida, o Zé morreu novo deixando a sua casa à sua jovem esposa, a Joaquina, que fiel ao seu amor nunca mais casou e envelheceu sozinha.
Os anos passaram e a dona Joaquina faleceu velhinha (e já a dever uns anos à cova), como não tinha herdeiros foram os seus 3 irmãos que reclamaram os seus bens, entre eles a casa.
Os anos voltaram a passar e os impostos sobre a casinha continuaram sempre a ser pagos a tempo e horas.
Mas por infortúnio lá haviam que ter morrido os 3 irmãos e a casinha foi dividida por partes iguais pelos netinhos da dita.
Desde essa data que acumulam processos por falta de pagamento dos impostos da velha casa.'

Ora o meu trabalho de amanhã vai ser averiguar entre arquivo mal-cheiroso e velho como o raio e sistemas informáticos se algum das quase 2 dezenas de netinhos estão vivos e começar numa ponta a contactar a ver quem ganha vergonha na cara e vá pagar as contribuições autárquicas que ainda continuam a sair em nome do falecido Zé (que morreu em 1934) porque apesar de a casa ter passado por tanto herdeiros nenhum fez escritura dela para seu nome.


6 comentários:

Cor de Chá disse...

Já não se pode morrer descansado, pah!

Gabriela... disse...

Graças a mim anda muita pobre gente a dar voltas no caixão!

Paulinha disse...

Não sei, mas se a casa entrou na relação de bens dos irmãos falecidos, os sobrinhos-netos da senhora ou pelo menos o cabeça de casal de cada herança deveria receber as cartas para pagar os impostos. E a casa deveria estar 1/3 em cada herança, não em nome falecido ti Zé.
Ou os sobrinhos-netos fizeram um papelucho de venda a algum vizinho e nunca mais quiseram saber da casa!

Poetic GIRL disse...

Txiiiiiii boa sorte querida! Se fosse um palácio não faltaria certamento candidatos, mas como é uma casinha será que se vão chegar à frente? beijocas

Cidchen disse...

Coisas reais da vida.

E que tal, conseguiste apurar alguma coisa?

Gabriela... disse...

Caso encerrado, passei os contactos dos actuais herdeiros para o colega, ele agora vai tentar chamar à razão àquela gente toda.
O meu trabalho é giro... é isto ou penhorar pessoas!