segunda-feira, 18 de abril de 2011

História de um vestido de noiva

... e efeitos secundários do casamento.


Hoje fui levantar o meu vestido de noiva à lavandaria, acho que ao fim de quase 3 anos e meio seria já uma boa altura para o mandar lavar.
Acontecem coisas engraçadas quando se manda limpar um vestido deste tipo e que nos fazem pensar sobre a decisão que tomámos uns anos atrás e que nos fizeram enfiar em tal vestimenta.
Primeiro as pessoas têm uma convicção enraizada que é um tipo de vestido que não temos qualquer necessidade nesta altura do campeonato, ouvi uma piada da senhora da lavandaria quando perguntei sobre a data prevista para o poder ir levantar:
"- Também não vai precisar dele, por isso não há pressa!"
Ora não respondi porque se responde-se ia ser alvo de severos olhares de reprovação quando disse-se que ao fim de 3 anos e meio vou precisar do meu vestido! Dos sapatos, do colar, pulseira e dos brincos!
Já agora se andar por aí alguém que me empreste um saiote com armação agradecia.
Há coisas na vida de uma mulher que simplesmente não se conseguem explicar e por isso remeto-me ao silêncio da minha actual necessidade que o meu vestido de noiva esteja impecável!
Chegada a casa, e pela primeira vez neste tempo todo, voltei a vestir aquele conjunto de seda, tules e rendas e o raios que o partam e constatei que casar faz muito bem à saúde.

Estou mais magra, consistente e ganhei cintura! Arriscaria até dizer que tenho uns quase músculos na barriga...

(clicar para aumentar)
Let's "Trash the dress"

9 comentários:

Cláudia disse...

Venha ele!!! Eu estou cá à espera! :D

Poetic GIRL disse...

Estavas tão linda :) adorei! beijocas

Sílvia disse...

Vais fazer uma TDT? Que fixe... eu também gostava... nas já não caibo nele :(

Gabriela... disse...

P/ CLÁUDIA,
Amiga sou toda tua! O vestido também... já agora vi uma foto de uma secção dessas que adorei (não sei é se tenho coragem). Jinho

Gabriela... disse...

P/ BELA,
Obrigado! O meu vestido (e quase todas as minhas coisas) são uma extensão do que sinto, do que sou e do que gosto.
Não me arrependo em nada que tenha sido verde e que não tenha levado véu ou aquelas porcarias todas, simplesmente era eu e com tudo o que me faz.
Gracias

Gabriela... disse...

P/ SÍLVIA,
Fui convidada por uma colega e adorei a ideia!
Eu caibo e até me consigo vestir sozinha e se não tiver cuidado rodo dentro dele. Só de pensar que quando casei ele me estava tão apertado que passei o dia todo concentrada em respirar! hehehe
Jinho

Janine Bettencourt disse...

Olá minha amiga,
o teu vestido é realmente sublime!
Eu quando casei estava uma verdadeira bolinha (coisas de quem tem filhos antes do casamento lol).
Nunca mais o vesti, já não o vejo desde 2007. Esta no sótão do meu pai, que podemos caracterizar como um disco externo lol é lá que guardo tudo que é mais importante para mim. Esta enfiado numa arca, que ocupa quase na totalidade. Nunca pensei casar, mas dizia que se o fizesse teria de ser ao jeito de um casamento real... Missão cumprida!
Vestido champanhe cai cai, decote coração, estilo Cinderela, cauda de 2m e véu sobre o rosto. Foi demais, eu sei...
Mas foi o MEU dia. Mais do que do noivo que só assentia na gravata se fosse vermelha (consegui arredondar por um bordeux), que não queria a "paneleirice" da marcha nupcial, convenci-o com um "Somewhere over the rainbow" na guitarra. Enfim, numa palavra: perfeito! Tudo como eu sempre sonhei. Todo o caminho entre minha casa e o local da cerimónia com o meu padrinho de casamento a tentar-me convencer que podia levar-me onde eu quisesse.
Um dia que jamais esquecerei, aconteça o que acontecer.
Obrigada por me fazeres recordar :)

Cidchen disse...

Acho que já te cheguei a dizer uma vez, pelo menos tenho ideia disso, mas posso voltar a repetir: o teu vestido estava espectacular! Gosto da forma dele, da cor, de tudo! Tiveste BOM GOSTO. :D

Gabriela... disse...

Muito agradecia aos elogios ao meu vestido, é lindo mesmo!! Mim ter mandado fazer a meu gosto!