domingo, 20 de março de 2011

De stressada a dondoca

Pela primeira vez assumo, por escrito, o estado desta minha nova condição: estou desempregada.
Digo-o sem qualquer pudor ou qualquer vergonha, é um estado como qualquer outro que passei na minha vida e passei já por muitos (aí se passei).
Estar desempregada não faz de mim menos que quem quer que seja, aliás, estou desempregada mas não estou desesperada. Nunca tive eu um mar tão grande de possibilidades ao meu alcance.
Estou numa encruzilhada que me permite ir em qualquer direcção que seja, que me permite abrir asas, desenferrujar e voar.
Desde os tempos de escola que nunca tinha saído tanto com amigas como agora, nunca tinha simplesmente passeado sozinha por passear, nunca tinha passado dias somente absorvida nos meus dilemas existenciais se faço as almofadas de acordo com os cortinados ou se de acordo com a capa da arca.
Posso admitir que estou a ser uma desempregada feliz!
O que custa, a única coisa que me faz querer voar o mais rápido possível é a falta do stress, do barulho, das pessoas... porque apesar de não gostar delas sinto a sua falta. Sinto falta dos clientes, toda a minha vida lidei com clientes e agora sinto mais a falta deles do que nunca.
A sabedoria da vida está em aprendermos a aproveitar cada momento que a vida nos dá... e a minha agora obrigou-me a parar.
Assim o fiz!

1 comentário:

Zani disse...

Olá, menina!
Vim aqui agradecer a sua visitinha no meu blog, e também pelo imenso carinho que deixou lá.
Como é difícil...
Obrigado por tudo e seja sempre bem vinda no meu cantinho, fica com Deus!
Beijos,
Zani.