quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Sobre a fé

Fé sempre foi algo que requereu a minha atenção, muda-se a música de fundo, muda-se o estado de espírito para escrever sobre algo que existe mas poucos ao certo sabem em que acreditar.
Todos temos fé em algo, pelo menos a fé em nós próprios.
Mas falemos da fé dos homens, a fé de acreditar num Deus (não vou projectar-me em nenhuma religião) pode ser ele branco, negro, perfeito ou com todos os defeitos tal como todos nós temos.
Fui educada na fé da Igreja Católica Apostólica Romana, fui Baptizada, fiz a Comunhão Solene e a Crisma, penso que uns 10 anos de catequese... fui madrinha de Crisma e casei pela Igreja.
Para quê?
Quando agora consciente de tudo o que ouvi e aprendi nestes anos de vida, que tive a felicidade de viver, tive que resolver as minhas próprias dúvidas sobre o que realmente acredito.
Acredito em Deus, não no Deus que me foi incutido mas em DEUS, algo superior a todos nós e que nos dá a alma que temos (que alguns têm ou não sabido estimar).
Deixei de acreditar nos homens que pregam a palavra de Deus... acho que deixei de acreditar nos homens num todo.
Nesta nova etapa da minha vida sinto-me plena por acreditar em algo e saber em que realmente acredito e consigo extrair de tudo o que me rodeia a minha própria religião.
Este fim semana que passou fui à Missa (não ia desde o ano em que casei) e soube bem, não a cerimónia em si mas sentir-me aconchegada por toda aquela gente que acreditava em algo superior. Rezei...
Este feriado que passou fui ao cemitério prestar a minha homenagem aos que fizeram parte da minha vida um dia e sai com um aperto no coração.

Acredito em algo forte demais que tudo isto! Tenho a minha fé.

1 comentário:

Rita da Maçaroca disse...

É bem verdade. Se não fosse a fé que tenho em mim mesma, à muito tempo teria deixado de lutar pelos meus sonhos...