quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Para 2009


Não vou fazer balanços, nem mostrar o que vai naquele pedaço de papel amassado que anda no meu bolso.
O que me marcou este ano está gravado bem fundo, como que feito a quente num pedaço de madeira.
Para o ano?
Para o ano só quero um ano calmo, sem surpresas...
Quero saúde para mim e para todos os que amo, algo que não tive este ano.
Quero começar a trabalhar em algo em que o meu esforço e dedicação sejam reconhecidos, nem que seja com uma simples palmada nas costas e um sorriso.
Quero paz e amor neste mundo de guerra e ódio.
Quero que parem de falar na maldita crise, quanto mais falam mais pioram a coisa. Dahhhh!

Hoje vou fugir aos rituais dos últimos 2 anos. Vou passar para 2009 limpa de amuletos ou superstições, não quero passas e muito menos champanhe.
Quero passar limpa por fora e por dentro e acho que isso consegui depois de um ano atribulado.
Vou tomar um banho bem quente, vestir uma roupa que me faça sentir confortável, meter uma maquilhagem brilhante e vou sair para o meio da multidão.
Longe da comida e da bebida, porque a saúde assim o obriga, longe dos olhares e de quem me quer mal.

Vou rezar e desejar que 2009 seja um ano de novos começos e novas metas.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Ser doméstica

Já estou farta de estar em casa! É o que é.
Ainda não assimilei bem que estou de férias prolongadas e nem que não vou voltar a trabalhar na próxima semana.
Sinto-me um pouco rabugenta, salva-me o Hugo que também está por casa ( a gozar férias) para me fazer companhia.
Tenho passado estes primeiros dias a arrumar as coisas aqui por casa, tenho listado o que quero fazer para aproveitar bem o tempo que vou ficar por aqui e para isso tenho coisas que preciso de comprar (como por exemplo uma capa para o banco da minha bike novinha em folha que tenho na garagem há 1 ano e meio e assim que passar esta chuva ir dar uns passeios), quero fazer almofadas, cortinas, tapetes e mais 1001 coisas que tenho para ali anotadas.

Agora isto é uma inércia total, para além da chuva que por si só não é muito agradável para se sair de casa, o único motivo que eu tinha para sair que era ir comprar pão também já se desfez em fumo.
Eu ainda não falei aqui das minhas prendas de Natal...
Ora no meio delas veio uma máquina de pão, que tem feito delícias aqui aqui por casa. Enganem-se os entendidos que as primeiras experiências correm quase sempre mal... por aqui até agora comeu-se tudo.

Já se amontoam ali as receitas seguintes (de cada vez que metemos a mão na massa é para experimentar uma nova), ainda andamos é aqui à batatada para encontrar farinha de centeio que pelos visto é coisa escassa à venda.
Mas voltando às prendas de Natal, não foram muitas e nada de meias ou outros artigos para encher chouriços, mas foram de valor.
Grande parte delas electrodomésticos para a casa, batedeira e máquina do pão já cá cantam e recebemos em dinheiro vivo a carta verde para a liquidificadora, a torradeira e a cafeteira eléctrica. Na próxima encomenda ao Pai Natal vamos meter só mais 2 (ou 3) que queremos e esquisitos como somos são os mais caros: a máquina do café com moinho (a que vimos rondava os 500 aéreos), o aspirador todo XPTO (para aspirar o carro, esclareço) e se houver tempo já agora um desses novos ferros com caldeira muito mais levezinhos e ergonómicos.

Ok, lista para o Pai Natal para 2009 - check

Já agora que estou numa de pedir, pode ser também uma destas (para ver se aqui o gaijo se cala).

Bem, vou-me dedicar a coisas de gaija doméstica, tipo fazer uma jardineira para o almoço.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Hoje é o último

Sinto que estou a passar por um divórcio!
Um em que sou eu que tenho que abandonar a casa, que tenho que recolher as minhas coisas... sentimentos, pequenos objectos, espaços e empacotar tudo e sair pela porta.
Hoje embalei a minha caneca para não partir, empilhei as caixas de chá, arrumei na bolsa a escova de dentes e a pasta, meti o resto das bolachas na mala e meti a agenda no lixo.

Tinha que ser!
Mas sinto-me fragmentada, sinto-me como se tivesse partido algo e me doí.
Como ela disse um dia: eu gosto do que faço, eu sentia-me bem aqui.

O futuro não sei, é algo tão incerto como o destino o é. Um misto de alegria porque cortei finalmente as amarras com um nervosismo por não ter futuro definido é o que vai no meu coração.

Hoje foi um dia de muitas ultimas coisas: última viagem de bus, última passeio normal pela avenida, último almoço nas varandas.
Sinto-me como se acaba-se aqui tudo e a linha não continua-se... o seu desenho no chão desvaneceu-se nos últimos dias e agora não a consigo ver. O nervosismo faz destas coisas.
Em honra deste último dia de mais de 4 anos de dedicação a uma casa e a um nome. Acabou!

Daqui a escassas horas sou oficialmente doméstica!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Shiuuuuuu.....

Só quem está hoje a trabalhar sabe do que falo.
Eu vim sozinha para Leiria, pouco ou nenhum trânsito se vê, pouco ou nada está aberto.
É véspera de Natal!
As coisas por aqui continuam na mesma tirando a parte que estou doente, muito doente.
No Natal há quem tenha a visita de família de fora, quem espere ansiosamente o Pai Natal eu tive a visita da minha bactéria de estimação.
Regressei rígidamente à dieta por uns largos meses pelos visto, parece que a maldita me apanhou os rins desta vez. O que é sempre giro nesta época do ano em que o pessoal até queria comer e beber um bocadito e agora não pode, bem comer sempre posso comer a quantidade enorme de comprimidos que tenho para tomar e beber tenho o raio do chá.
Até na roupa que visto estou de dieta. Raios!
Depois da 2.ª feira horrível que tive aqui e dos nervos que levei para casa abri as portas à maldita que ontem me meteu no SAP a tarde inteira e me fez passar a noite quase a esvair-me em sangue.

Hoje já tenho as malas feitas e depois deste sacrifício que fiz de vir trabalhar e chegar aqui e ser-me comunicado que posso ir embora da parte da tarde (quando eu hoje de manhã devia era estar a levar soro, mas prontos) vou embora até mais cedo que o normal e partir de viagem para a santa terrinha.

Esta semana ainda volto para poder partilhar com todos a emoção do dia 26.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Tonight, tonight...



...time is never time at all
you can never ever leave without leaving a piece of youth
and our lives are forever changed
we will never be the same
the more you change the less you feel
believe, believe in me, believe
that life can change, that you're not stuck in vain
we're not the same, we're different tonight
tonight, so bright
tonight
and you know you're never sure
but you're sure you could be right
if you held yourself up to the light
and the embers never fade in your city by the lake
the place where you were born
believe, believe in me, believe
in the resolute urgency of now
and if you believe there's not a chance tonight
tonight, so bright tonight
we'll crucify the insincere tonight
we'll make things right, we'll feel it all tonight
we'll find a way to offer up the night tonight
the indescribable moments of your life tonight
the impossible is possible tonight
believe in me as i believe in you, tonight...

------------------------------------------------------------------ //
Depois de um dia de cão com lágrimas à mistura, os sentimentos tornam-se uma miscelânea cá dentro.
Será que isto é o certo?
Será que eu tenho a coragem?
Será que querer mudar é assim tão difícil...
Sinto-me tão impotente, tão derrotada, tão esmurrada e espezinhada.
Hoje cheguei a casa e deitei-me na almofada, um querer adormecer o resto da semana e esquecer o inferno dos últimos dias. Como pode alguém tornar a vida dos outros tão má?
Porque querer mudar magoa!
Porque querer ter mais e ser mais magoa!
Porque decidir quando os outros não têm coragem revolta!

"believe, believe in me, believe
that life can change, that you're not stuck in vain
we're not the same, we're different tonight"

O resto da semana que esta música ecoe na minha cabeça é tudo quanto desejo. Que os demónios interiores dos outros lhes consumam a alma e o corpo mas bem longe de mim!

domingo, 21 de dezembro de 2008

E se não tivesses continuado a estudar?

"Já pensaste se não tivesses continuado a estudar como seria a tua vida hoje?"

Hummm...
Muitos ficariam a pensar e não saberiam a resposta, para mim foi uma pergunta daquelas com rasteira mas que não hesitei nem pestanejei sequer.

"Sei."

O suspense!

De certeza estaria casada com o M., teria uma linda moradia na aldeia com um terreno enorme, jardim relvado com muitas flores, quintal com árvores de fruto e cultivado.
Trabalharia num escritório de contabilidade ou semelhante.
Teria de certeza já pelo menos 2 putos.
Passaria os meus dias pela aldeia e aos fins semana sairia em passeio pela redondezas.
Teria uma vida pacata, sem stress, nem grandes aventuras.


E tu, que seria da tua vida se não tivesses tomado uma grande decisão? Será que sabes?

Esta deu-me para me meter a pensar o resto do dia. E todos os 10 anos que se passaram desde o momento em que tomei a decisão de continuar a estudar e começar uma vida longe de tudo e todos com tudo de novo. Literalmente!
Se me arrependo? Não, sou feliz agora e seria se tivesse a vida que descrevi em cima.
Se calhar não teria passado pelas provas que a vida me fez passar e muitas vezes bem dolorosas. Mas ficar na asa da mãe de certeza que não teria feito de mim quem sou e o que represento para muita gente e o respeito que me têm.

Quanto ao M. de cima, ainda falo com ele e tenho por ele um carinho que ele nunca vai entender, depois do que o fiz sofrer eu para ele sou apenas alguém "que o magoou muito" (palavras dele).
A vida tem destas merdas!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Retrospectivas

Estamos a poucos dias no Natal e entretanto já estamos em 2009.
Sofro de um síndroma estranho de final de ano... dá-me para fazer retrospectivas do que já passou mesmo em anos anteriores.
Não me consegui conter e chorei, chorei ao ler o que escrevi quando tive que mandar abater os meus gatos. A dor mais profunda que senti nos últimos anos!
Adiante!
Tenho trazido uma pequena folha de papel dobrada no bolso do casaco, em jeito de lembrança, onde vou escrevendo nem que seja mentalmente o que quero que fique gravado de 2008.
Todos os anos deixam marcas sérias naquilo que sou, este foi um deles e quero deixar escrito todos os aspectos que me marcaram quer para o bem quer para o mal.

Enquanto a lista se desbota e desfaz no bolso a contagem decrescente para o Natal continua, a azáfama de muita gente e não a minha.
Nunca gostei muito do Natal, este ano então optámos por fazer com que esta quadra passe-se mesmo ao lado. Adormecemos!


Brilhamos apenas no coração e isso para nós,neste momento, é tudo!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Literatura por degraus

Apesar dos anos todos que já passaram desde que deixei a escola (prontos, agora ando noutra mas é diferente) continuo a ser uma cliente assídua da biblioteca municipal tanto aqui de Leiria como da Marinha Grande.
Cartão de leitor das 2 e em dia.
Mesmo com toda a remessa de livros que compro nada me tira o prazer de ir para lá e perder tempos a olhar para os livros e ir tirando e vendo.

Depois de muita gente me aconselhar para ajudar o meu inglês e porque sou uma pedra não assim tão dura, tanto bateram que eu finalmente trouxe um livro em inglês.

Escolhi este:

Devo dizer que tirei mais de 20 da prateleira e nada me agradou, queria começar assim por uma coisa mais ligeira.
Já li o primeiro capítulo ( que entendi, lol) e estou a gostar. Já meti na prateleira lá de casa o livro em português que andava a começar a ler e vou-me dedicar a este a 200%.
Quem sabe numa próxima incursão à leitura inglesa trago um dos do meu irmão...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Coisas da vida a dois

Existem momentos da vida a dois que para mim têm todo o significado e acho que não há nada à face da terra que substitua o sentimento de partilha e pertença que temos um para com o outro.
Somente talvez o nosso dia do casamento em que dissemos o sim para toda a vida, na saúde e na doença.
Nada substitui aquele sentimento de estarmos os 2 agarrados aos tachos, num final de dia de trabalho, a cozinhar um saudável jantar. Enquanto deliramos com as aventuras do nosso dia, as conversas, as pessoas, as atitudes, o que deviamos ter feito e não fizemos.
E claro, a alegria quando as coisas correm bem demais ou mal demais. Os risos!
Nós lá por casa, sempre que é possível, somos 2 de volta dos tachos, somos 2 a arrumar e limpar, somos 2 a tratar da gataria, somos 2 em quase tudo e isso é o que nos une mais.
Não é só o facto de nos sentarmos em frente da tv os 2 ou à mesa para comermos que faz disto um casamento, é fazermos os 2 o que somos e o que temos!

Ontem assim foi, umas espetadas de perú, um arroz de cenoura, uma saladinha de tomate e alface, sumo a acompanhar!

sábado, 13 de dezembro de 2008

Life goes on

Sempre fui muito sensível aos sons quando me concentro a 100% neles, talvez por parte da minha diminuição auditiva tenha aprendido a concentrar-me, focar para me conseguir orientar.
Mas neste últimos anos aprendi a viver com isto sem qualquer problema e muito raramente me foco em algo, acontece só muito esporadicamente e de uma forma que não consigo controlar.
Parece haver aquele botão "on/off" que me desliga de tudo em redor e fico numa outra dimensão dentro desta e oiço simplesmente aquilo...
Hoje, depois de ter tudo passado e ter serenado as lágrimas e o soluçar nas palavras ainda sinto na minha cabeça o ecoar:

|| o som da terra a bater lá no fundo no caixão, um som de terra pesada a bater na madeira

|| o som e frio da chuva que começou a cair, levantei a cara ao céu para limpar as lágrimas e a chuva bateu na minha cara... deixei-me ficar

Sentimos-nos rompidos, finalmente rompeu-se o nosso elo e em vez de nos encontramos para as festas começamos a encontrarmos-nos para os funerais.
Algo está mal.
Não devia ser assim.

Uma filha nunca deveria ir antes da mãe.Uma mãe nunca deveria partir antes de ver os filhos casarem. Uma mãe nunca deveria ir antes de conhecer e criar os seus netos. Uma mãe!

Porque será que é nestas alturas que damos aqueles abraços mais sinceros?
Porque será que é nestas alturas que nos apetece dizer tudo e nada sai da nossa boca?

A vida continua e sei que brevemente nos iremos encontrar e rir porque estamos todos, apesar de rompidos a união continua e quem sabe aguentamos todos para podermos celebrar mais uma alegria todos juntos.
Eu rezo para que sim.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Keyword analysis

Desculpem lá mas isto é digno de ficar aqui registado.

Quem é que foi o tarado que veio ter ao meu blog com a seguinte pesquisa no Google

"vila freixianda putas"

Ainda por cima um "avec".
Ó francezinho da treta, deves pensar que aí na tua terra as gaijas são de melhor calibre... olha que não é o que consta para estes lados.
Sim!
Porque quando elas vêm de férias à santa terrinha são mais corridas que uma mota em dia de provas.
É vê-las o dia todo a entrar e sair dos carros do pessoal, numa azáfama louca.


Já agora (isto para outro) escreve-se "vídeo" e não "vidio"... ok?


(isto é o que dá não dormir)

"somnu"

As imagens valem mais que 1000 palavras.

Passei uma noite de "dorme-acorda-dorme-acorda", cheguei a um ponto que já não podia ouvir o telemóvel dele tocar e ele levantar, vestir e sair, voltar, despir e deitar.

Conselho: nunca trabalhem perto de casa, quando há problemas lixam-se sempre os que vivem mais perto.

Hoje tenho umas olheiras até aos tornozelos, estou mal-humorada, tenho montes de cenas importantes para fazer e não tenho a concentração necessária. Vai ser um dia longo!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

|||||respiro||||| ainda

Não, não vou deixar o blog!

Já vi que muita gente se veio manifestar quanto ao meu post do fim-semana, do extenso texto que eu tinha escrito e ter publicado só aquelas escassas linhas foi muito bom, muito bom mesmo.
Ás vezes acontecem coisas na nossa vida que não esperamos, melhor se calhar até tinhamos o pé atrás e dava-mos a devida dúvida mas nunca esperando o pior.
As pessoas não merecem o nosso respeito e muito menos que abramos o nosso coração para falarmos de nós... aquele "nós" bem cá do fundo.
Este fim semana senti-me traída, mas mais principalmente ofendida. Sim, posso dizer ofendida!

A minha, corrijo, a nossa caminhada agora vai ser só para aquelas pessoas, aquelas...

Porque não é por existirem pessoas destas que eu vou deixar de dizer o que sinto e partilhar o eu mais profundo com quem é merecido.

Talvez um dia, sim um dia, eu respire aqui também. Até lá encontro-me em blackout.

domingo, 7 de dezembro de 2008

It hurts

Hoje pela primeira vez nos meus poucos anos de existência morreu alguém da minha família directa, uma tia que eu gostava muito.
Deram-me os pêsames mas eu não os senti.
Não é que eu seja tão fria e calculista, mas porque a morte para mim é uma parte da vida. Custa mas não podemos lutar contra ela.
Acho que não é a morte em si que custa, o sofrimento que a pessoa teve, acho que as pessoas não sentem nada nada disso mas sim uma tristeza e egoísmo interno por já não terem aquela pessoa junto de si.
Acho que a perda de alguém desperta em nós o nosso egoísmo de a termos perdido e não aceitarmos isso, o facto de a querermos do nosso lado e ela já não estar lá... e nada podemos fazer contra isso.

"A morte não é nada para nós, pois, quando existimos, não existe a morte, e quando existe a morte, não existimos mais"
Epicuro

Tia, a mim doí-me somente porque já não te via há quase 1 ano e meio.
Doí cá dentro teres sido das poucas que não conseguiu vir ao meu casamento.
Doí teres partido sem teres conhecido o meu marido e teres partilhado comigo a minha nova e perfeita vida.
Doí teres morrido sozinha, longe de nós todos inclusive dos teus filhos, num país distante.
Doí saber que não vais estar lá nos almoços e jantares de família.
Doí ainda mais teres vindo a Portugal e apesar de eu ter convidado não te terem trazido a minha casa... mas disso tu não tens culpa.
Doí porque a doença te levou antes de tudo e todos, não seguindo o decurso normal da existência.
Doí, mas eu sei que no fundo foi um alívio para ti que tanto sofreste de amor, largaste tudo e todos porque o teu coração nunca conseguiu aceitar que o homem da tua vida não quisesse mais o teu amor e dedicação.

A ti, que sei que sempre te orgulhaste de mim, eu vou rezar todas as noites ao meu Anjo da Guarda para que cuide de ti.

da tua sempre sobrinha

Cortei!

Hoje foi tomada uma decisão muito importante por aqui.

Quem me segue terá notícias minhas brevemente.
Porque não quero ferir susceptibilidades e porque sei que sou muito fria em certos assuntos e porque se calhar exigir certas coisas das pessoas é exigir demais, decidi ficar por aqui.

sábado, 6 de dezembro de 2008

Roupas fora

Eu tenho sempre que aproveitar os meus estados de espírito para despachar ou resolver problemas pendentes.
Nos últimos tempos tem sido a minha roupa, para além de velha, muita ou está larga demais ou, graças a ter finalmente ganho 2kilitos (viste maldita anorexia, eu ganho sempre), a roupa que comprei 2 n.º abaixo do que vestia deixou de me servir.
Hoje com pouca paciência para as compras da casa, das poucas coisas que adoro mesmo muito fazer (comprar comida!!) consegui comprar roupa, malas, só ficou a faltar as malditas das botas. Apesar de poucas peças para mim acho que já é roupa suficiente para mais uns anos... sou mesmo do piorzinho.
O marido esse ficou espantando, nem queria acreditar que eu carregava sacos com roupa quando cheguei a casa. Agora vou-me ali dedicar a arranjar as bainhas às calças e tratar da manicure que logo há jantarinho de Natal da empresa do gaijo.

P.S. Talvez esta motivação repentina para comprar roupa se tenha devido aos sacos que ontem tirei do meu armário de roupas e sapatos que decidi que não vestia e que não estavam lá a fazer nada e que amanhã vou entregar para dar a famílias necessitadas.
Ficou uma aragem no armário que só visto.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

1..2..3.. macaquinho do chinês

Hoje não sei muito bem o que ando aqui a fazer, sinto que a minha veia filosófica se anda a esvanecer e a dar espaço a uma veia vivida, sentida e com laívos de rancor.
Nada típico em mim.
Sinto que estou a atingir aquele limite que não queria atingir, aquele limite que em toda a minha vida me obrigou a tomar decisões e a mudar.
Tem dias, como hoje, que sinto que já vivi demais para alguém da minha idade!

Acho que sei demais da vida, das pessoas, do que é viver e não gosto.

Preciso de um pouco daquela ingenuidade de criança que perdi tão cedo e que agora me daria muito alento para conseguir acabar estes dias com um sorriso na boca e não um cartaz enorme "Só lido com pessoas burras" assim mesmo por cima da cabeça.


Acordei com os pés de fora e depois? Também tenho direito.
Só me apetece ir para casa, melhor hoje até ás compras ia (coisa mais odiosa). Estou numa de vale tudo!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

o último

Mês pautado de muitos últimos.
Esta semana foi a última vinheta que comprei para o passe e hoje foi a última vez que salvei as costas ao meu boss...

Esgotou-se a paciência!

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Dicas

Quando ando entretida de volta das minhas coisas lembro-me de cenas que gostava de falar... mas depois se não o fizer na hora esfumam-se nas 1001 outras coisas que me ocupam as minhas 24h (mais 48h).
Ontem à noite enquanto andava de volta dos meus cuidados de beleza, isto no Inverno dá-me sempre uma daquelas preguiças muito agudas, mas tem que ser, nem homem nem eu gosta de ver umas pernas cabeludas. Ora, fazia eu a depilção e pensava que o Pai Natal me podia meter no sapatinho uma máquina de depilar dessas todas modernaças... que a minha já tem uma patada de dinossauro, quando me lembrei das tantas pessoas que nesta altura do ano se queixam de terem a pele super seca.
É verdade, esta altura do ano, os aquecedores e ares condicionados, a roupa, tudo faz com que fiquemos com a pele super seca em certos pontos críticos: pernas e braços ( eu acrescento o meu rabo que também me dá dores de cabeça que chegue).
Ora nós tratamos logo de comprar 1001 cremes para pele seca e parece que nenhum faz o efeito devido que queriamos, ter uma linda pele hidratada!
Agora digam-me uma coisa: quem não tem lá por casa cremes para o rosto com que não se deu bem? Ou aquele creme que a nossa tia querida nos deu sem saber qual o nosso tipo de pele?( tenho lá desses)
Aqueles que não deitamos fora por termos pena porque estão novos!
Ora nem deitem, dêem uso a esses cremes (muitos deles carissimos) para aplicar nessas outras partes do corpo ressequidas.
Os nutrientes dos cremes do rosto estão preparados para dar uma super-nutrição à nossa pele tão sensível da cara e afins, ora se não nos servem para os efeitos que estão destinados não imaginam as maravilhas que vão fazer nas nossas pernas secas e a escamarem-se.

Foto retirada daqui.


Bora lá dar cabo desses frasquinhos que ganham pó nos fundos dos armários e andar com a pele bem hidratada!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

(Eu)



Tem dias que a vida me parece uma linda melodia que se vê nos meus olhos.
Apesar do frio, das mãos enregeladas e do nariz vermelho nada me tira o sorriso. Por muito simples que seja ou imperceptível ele está lá... no coração.
A vida leva o seu rumo não posso lutar contra ela, sei que tenho que me deixar ir e serei ainda mais feliz.

Ontem dizias "Há muito tempo que não nos riamos assim os dois!", eu sei amor mas agora eu já estou cá. Obrigado por teres esperado.