quinta-feira, 8 de maio de 2008

Desafio: Objectos com estórias

A Isabel já há muito tempo atrás (já tem teias de aranha) lançou-me um desafio, mas como implicava pensar muito e tirar fotos foi-se arrastando e arrastando e arrastando.
Mas depois de num acesso de lucidez sobre o que escolher tirei as fotos e não passa de hoje.

Regras:
Objectos com estórias é um desafio que pretende que se mostrem objectos (a escolha fica ao critério de cada participante) que tenham associados afectos e memórias, páginas da nossa vida. Objectos de importância e valor incalculável, mesmo que, à primeira vista para os outros, mais não sejam do que velharias ou insignificâncias. Mas que constituem, para quem os possui, um precioso tesouro pelas lembranças e sentimentos a eles associados.

Cada participante deverá escolher dois objectos e explicar a sua história. De seguida, vai escolher quatro blogs para continuar o desafio, avisando os respectivos desafiados através de comentário no respectivo blog. É importante que se nomeie efectivamente colegas da blogoesfera para que o desafio possa circular.


Começando, vocês devem de se estar a perguntar que raio é isto.
Pois, trago este conjunto de pecinhas de metal na mala há anos, dizem que dá sorte. Já não me lembro de onde pertencia, só sei que se partiu e as pecinhas ficaram... mas já faltam 1 ou 2.
Sempre que mudo de mala isto muda também, como se se trata-se de algo importante.
Nunca consegui explicar, mas não consigo andar sem saber que esta quinquilharia anda comigo.


Porque os livros marcam-nos sempre, este posso dizer que foi o livro da minha infância, adolescência e agora juventude. Já o li dezenas ou centenas de vezes.
Não esse da foto, comprei essa edição aquando da saída do filme nos cinemas, tenho uma versão bem velhinha (mais velha que eu) já sem capa e muito maltratado. Comprei esse como descarrego de consciência de um dia acabar por ficar sem o outro.
Quanto ao filme odeio! E até passou na tv este fim-semana. Acho que não consegue chegar aos calcanhares do livro, dos pormenores, de toda a história em si.
Este sempre foi o livro em que me consegui meter no meio da história e sentir tudo: o cheiro da mansão, dos casacos, das árvores, da neve... sentir o pêlo dos castores, o sabor do manjar da feiticeira, o macio da juba do leão.
Adoro este livro!


Agora passo :

Mónica do Blog Memórias de um triste lugar

Maria Ameixa
do Blog Maça e Canela

Isália do Blog da Isália

Sofia do Blog Word in Silence


... demorou mas foi!

5 comentários:

Willow disse...

Tenho de ir tirar as fotografias das minhas relíquias. :)
Olha lá, acho muito mal dares-me cabo assim do disfarce, pá!
Maria quem? Ehehehe... O Willow não pegou, está mais que visto. :)

Willow disse...

Ah... esqueci-me de dizer... aqui por casa vão ser oito velas. É que acendo eu duas por mim e duas por ti e o gajo outras quatro! :)
Tu já tens mais experiência na técnica de acender velas... nós "ainda" só andamos nestas andanças desde setembro.

Gabriela... disse...

Ok, fica aceite as velinhas todas.
Já agora, tu a mim não me enganas!

Tita disse...

lembro-me de etr tido umas medalhinhas assim.era paar afastar o azar. qt ao livro não li, apenas vi o filme e gostei. bjs

Cor de Chá disse...

Bem, gostei muito de ver os teus objectos! Demorou mas valeu a pena. Acho que dá para nos conhecermos um pouco mais.


Bjs grandes ;)