quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Hoje escrevi-te uma carta de amor

Tem dias que sabes que sim…
Tem dias que sabes que não…
Tem dias que escrevo e tu bem sabes que escrevo sobre o que me vai na alma.
Tem dias que conto ao mundo o amor que me vai no coração.
Tem dias que penso no quanto eu te devia dizer isso mais a ti.
Acho que nunca fui muito boa para cartas de amor, acho que nunca fui boa para tudo o que toque no meu coração.
Mas aqui vai:
Amo-te nos dias em que me fazes chorar;
Amo-te nos dias em que me fazes rir;
Amo-te nos dias em que fico sozinha em casa, mesmo não querendo;
Amo-te nos dias em que me amas;
Amo-te nos dias em que estás triste;
Amo-te nos dias em que fazes tudo por mim e para mim;
Amo-te nos dias em que pouco ou nenhum tempo tens para mim;
Amo-te nos dias em que sou eu que pouco tempo tenho para ti;
Amo-te nos dias em que fazemos 1001 planos e depois não fazemos nada e rimos;
Amo-te nos dias em que praticamos wrestling e me enches de nódoas negras;
Amo-te nos dias em que só pensas em armas, em técnicas e não me ouves;
Amo-te nos dias em que somos nós independentemente de sermos um só;
Amo-te nos dias em que parece que não sou eu em mim;
Amo-te nos dias em que parece que nada está bem para os dois;
Amo-te nos dias em que te observo a dormir e penso “És tudo para mim!”

6 comentários:

Cartas a Si disse...

Dizias tu que não tinhas jeito para escrever cartas de amor, mas pelo que vejo tens muito jeito. Não é preciso ser um grande poeta para escrever uma carta de amor, só é preciso amar, amar muito. E tu amas com o coração todo.

Cartas a Si disse...

Ah, já me esquecia, obrigada pelo comentário que deixaste no meu blogue. Gabriela, eu é que agradeço. Agradeço por existires, agradeço por escreveres o teu blogue, por nos mostrares a todos que apesar das dificuldades que a vida nos coloca é possível sermos felizes. És uma pessoa linda! Não percas nunca esse teu sorriso e essa forma de encarar a vida.

Luís Costa Pires disse...

Olá. Liguei o teu blogue ao meu, chamado "Depois da Noite".

Obrigado pela crítica ao "Mandrágora".

Bjs

Luís

Gabriela... disse...

P/ CARTAS A SI,
Nisso concordo plenamente, quando se sente do coração consegue-se escrever melhor e mais profundamente.
Beijo enorme.
Já te meti nos meus link's

Gabriela... disse...

P/ LUÍS,
Obrigado!
Quando se gosta de algo devia-se dizer e não guardar para nós.
Gostei do teu livro. Entretanto quero ler o teu "Depois da noite" que também lá tenho.
Abraço

Isália disse...

Lindo! Não posso deixar de concordar com a Cartas a Si...Quando se ama pode-se não ter jeito para nada,mas as palavras saem espontaneamente...