sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Solidão nata

Estarei eu a afastar-me do que é o mundo actual?
Estarei eu a refugiar-me neste casulo que criei para nós?
Não sei.
Só sei que desde que sai da grande cidade e vim morar para esta pequena cidade tenho cada vez mais dificuldades em lidar com locais cheios de gente.
Sempre tive um pouco de pavor de locais cheios, pessoas a falar, a respirar, a mexer... tudo ao mesmo tempo.
Mas agora noto que este sentimento cresceu. Aqui é tudo tão diferente.
Aqui saiu à rua e quase sempre encontro alguém que conheço, vou comprar pão onde trabalham pessoas conhecidas, vou beber café onde o casal me trata como se me conhece-se à anos, vou ao centro comercial e sou obrigada a parar em mais que uma loja para cumprimentar colegas. Aqui é tudo tão diferente.
Onde quer que vá conheço alguém e isso para mim é delicioso!

Nada da frieza da grande cidade, nada da nostalgia das paredes frias e ruas desertas e cheias ao mesmo tempo.
Acho que a minha vida tem sido um percurso, longo, lento... mas muito necessário.


Ontem fui ao Continente por necessidade e não aguentei lá estar, esvaiu-se a necessidade e vim-me embora ao fim de 15 minutos.
Toda aquela gente estava-me a fazer tonturas.
Vou continuar aqui pela minha pequena cidade ...

2 comentários:

Anónimo disse...

Fazes muito bem :)
Acontece-me a mesma coisa especialmente em hipermercados. Dou em doida. Felizmente descobri a litlle something called continente online (the next best thing!).
Bjo

Gabriela... disse...

eheheh
É uma opção, sem sombra de dúvida!
Eu por aqui continuo pelos supermercados com pouca gente.
Bjo