quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Não me consigo conter...




Quando vejo este vídeo o sorriso instala-se.
Hoje foi a minha terapia para sorrir e fazer desaparecer as rugas.

Hoje fui passear ao parque como tem vindo a ser hábito, ou ginásio ou parque.
Estendi os braços ao sol e chorei... precisava mesmo.
Regressei ao meu lugar e aqui estou a trabalhar, com mais vontade a definir os meus objectivos de trabalho para 2008.
Mesmo que a entidade patronal não concorde eu também não concordo com os dele, por isso...

Tem dias...

Tem dias que acho que trabalho demais! Que parece que quanto mais me esforço menos aparece feito, só me dá vontade de pegar na minha tralha toda e ir dar uma volta.
Sentar-me no jardim e esperar que esta onda passe.

Tem dias que vou para casa e depois das lides domésticas, felizmente a dois, ainda trabalho a dobrar.

Tem dias que nem falar com a minha mãe me acalma.

Tem dias que parece que duvidam do meu trabalho.

Tem dias em que a conversa lá em casa enquanto se lava a loiça é:

"-Apetece-me bater em alguém!"
"- Vão dois..."
(risos)
"-Nem penses, em mim não, que já tenho nódoas negras que me cheguem!"


É nestas alturas que recordamos imagens como estas e sonhamos com as próximas férias.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Mudanças!

Nem era preciso dizer. São de choque.

Acho que com tudo o que se passou nos últimos dias precisei de adaptar aqui o meu meio para algo mais agressivo. Algo que transparece-se mais o que me tem vindo na alma e se instalou.

A minha vida tem sido um corropio de mudanças, aprendizagem, sentimentos novos...

Acho que temos que acompanhar isso no nosso verdadeiro eu.

Mas ainda não está completamente acabado...

sábado, 26 de janeiro de 2008

Aviso!!

Começo a ficar profundamente irritada se o meu rabo continuar a ser motivo de conversa de café.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

saudade não, sentida talvez

Isto talvez deveria ter sido um post mais apropriado para ontem. Quando estava mais sentido, mas a mágoa não passou e hoje por mais que fale a tristeza... se é que se pode chamar de tristeza, aumenta.

Acho que falo demasiadas vezes da solidão.
Das vezes em que me sinto sozinha mesmo estando no meio da multidão e das vezes que estou mesmo sozinha e não me consigo demover para o meio da multidão.

Ultimamente tenho me sentido realmente sozinha, não espiritualmente, fisicamente.
Acho que quando decidimos escolher alguém para partilhar a nossa vida partimos do princípio que ela estará sempre connosco. Mas não é assim.
As noites/os dias que passo sozinha têm aumentado drásticamente neste último mês.
Cheguei a um ponto, a um impasse em que já nada me faz gostar destes momentos de solidão.
Já são demasiados para que os possa disfrutar para mim e só para mim.
A minha mãe questionou-me algo que me fez ficar a pensar, ela tem razão! Ela tem razão... como sempre. Mas eu continuo sozinha, mais uma vez.
Já não me seduz as longas horas na net, as lutas e conquistas na tentativa de despachar as encomendas que me vão chegando, as horas de lazer e relaxamento próprio cuidando da minha aparência ( estas felizmente têm dado frutos!), as limpezas (são tão sistemáticas e regulares que já pouco ou nada existe para arrumar)... ultimamente tenho visto televisão.
Estupidificar-me um pouco diante daquela caixinha de imagens. Não é que veja telenovelas, nem sei já o que isso é. Agora vejo essencialmente a Anatonomia de Grey, Betty Feia, Contacto (ou Entre vidas, como lhe queiram chamar) e mais umas quantas que passam na Fox.

Mas sinceramente, só de pensar que amanhã vou ficar o dia inteiro sozinha fico incrivelmente triste. Cansada, saturada!
É como me sinto.



Não me seduz a ideia de ir às compras, não me seduz a ideia de passar a tarde de volta de uma encomenda que tenho entre mãos e que até estou a gostar de fazer, não me seduz ir passear ao jardim ou à praia... nada me seduz porque simplesmente não me apetece estar sozinha.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

da idade da pedra...

Hoje baldei-me ao trabalho, se é que ir ao médico se pode considerar uma balda. Não venho mais satisfeita de lá, muito pelo contrário.

Porque será que a medicina/mentalidade no Brasil está tão mais avançada que aqui em Portugal?

Resignada com a minha condição e perspectivas, vou pessoalmente aplicar os conhecimentos adquiridos a partir da terra além mar e logo se verá os resultados.

Hoje, deixei o carro em casa e andei a pé pela cidade, já há muito que não o fazia e aqui posso desfrutar desse prazer. Posso ir a todo o lado a pé e voltar para casa sem grande esforço.
Hoje fui ao parque e estava um sol maravilhoso, uma verdadeira Primavera. Enquanto percorria o caminho de calçada observei uns adolescentes que ali se encontravam.
Muita gente diz que gostava de voltar uns anos atrás para ser mais nova, voltar à "vida boa" como costumam dizer.
Eu cá não. Acho que finalmente alcancei a plenitude da minha existência.
Sinto-me bem comigo própria, com os que me rodeiam, alcancei os meus principais objectivos.
Tenho orgulho em mim.
Ando na rua de cabeça erguida e sem receio ou medo do que os outros possam falar, cobiçar ou desdenhar. Simplesmente não me interessa o que possam dizer.
Faço o que quero, digo o que quero, sinto o que quero!



Hoje percebi o quanto eu e o marido somos parecidos, até na forma de andar. Direitos e braços estendidos, não tememos ninguém.

Gostava de conseguir imaginar os fósseis que iremos ser... daqueles com uma grande auto-estima, claro!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Gimn ... conclusões

"Tu não tens barriga. Tens é uns oblíquos gordos!"


E agora eu pergunto. Quantos meses de ginásio demora a dar cabo de uns "oblíquos gordos"?

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Solidão nata

Estarei eu a afastar-me do que é o mundo actual?
Estarei eu a refugiar-me neste casulo que criei para nós?
Não sei.
Só sei que desde que sai da grande cidade e vim morar para esta pequena cidade tenho cada vez mais dificuldades em lidar com locais cheios de gente.
Sempre tive um pouco de pavor de locais cheios, pessoas a falar, a respirar, a mexer... tudo ao mesmo tempo.
Mas agora noto que este sentimento cresceu. Aqui é tudo tão diferente.
Aqui saiu à rua e quase sempre encontro alguém que conheço, vou comprar pão onde trabalham pessoas conhecidas, vou beber café onde o casal me trata como se me conhece-se à anos, vou ao centro comercial e sou obrigada a parar em mais que uma loja para cumprimentar colegas. Aqui é tudo tão diferente.
Onde quer que vá conheço alguém e isso para mim é delicioso!

Nada da frieza da grande cidade, nada da nostalgia das paredes frias e ruas desertas e cheias ao mesmo tempo.
Acho que a minha vida tem sido um percurso, longo, lento... mas muito necessário.


Ontem fui ao Continente por necessidade e não aguentei lá estar, esvaiu-se a necessidade e vim-me embora ao fim de 15 minutos.
Toda aquela gente estava-me a fazer tonturas.
Vou continuar aqui pela minha pequena cidade ...

o teu preço

Este será o momento que mais me embaranhou os sentimentos.

Sinto um misto de tudo um pouco... uma indefinição de como me hei-de sentir ou hei-de agir.
Mas páro um pouco, respiro fundo (mais uma vez).

Alegria!

O que sinto é um sentimento extremo de alegria. Um sentimento de libertação.

Um "finalmente" há muito esperado, porque por mais longe e incontactáveis que estivessemos haveria sempre esta pequena amarra que nos fazia lembrar um do outro.

Um "finalmente" que custou 243,73€ para me ver livre de ti para sempre...

Mas que importa o dinheiro se me levaste bem mais que isso. Levaste-me a alegria de 4 anos, a confiança de 4 anos, o amor-próprio de 4 anos, acrescidas de lágrimas de 4 anos, de mentiras de 4 anos, de, posso afirmar, um sofrimento de 4 anos.

Em mim nada refletes, eu sou transparente para ti... em mim nada vês.
Já não me embriagas com o teu hálito ou com o brilho dos teus olhos, em mim já nada podes.
Pertenço a outro mundo e sempre pertencerei onde estou de pé igual para com os que me rodeiam e não abaixo do nível das águas que me inundavam todos os dias.

Apesar das dívidas tudo relevei e agora posso dizer: Não és nada para mim e a mim já nada podes.

Afinal o teu preço era algo tão irrisório... tendo em conta tudo quanto sinto e vivo agora.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

... compreensão...










Tenhos passado muitas horas a falar,
Tens me feito tão bem (à alma e ao coração!)
Sei que isto pode parecer de louco mas tu sabes bem o quanto eu o sou
Mas és uma grande amiga!
Sei que a conotação da palavra amizade já não é o que era...
Sei que não nos conhecemos em carne e osso, como deveria ser normal
Mas que de divertido e excitante tem a normalidade?
Deste-me a conhecer que também sentimos o mesmo amor pelos nossos amigos com do homem que ocupa o nosso coração... preocupas-te comigo e pensas em mim!
Eu sei e tu bem me dizes.
Existem coisas que perdemos com o tempo, que se vão escarçando como um casaco velho com o uso
Mas a tua amizade eu não quero perder!
Quero conservar nem que seja num frasquinho de alcoól como um orgão protegido.
Quero que saibas que te amo
E eu dia, em breve e com aqueles nervos miudinhos
Nos iremos finalmente abraçar.


Para ti Cláudia, minha linda, a nossa "boa" lá de casa.


Escrevi ao som da tua música e espero que leias isto ao som dela

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Não compreendo....

Considero que tive uma educação um tanto ou quanto especial.
Nunca me foram impostos padrões a seguir ou qualquer tipo de regras rígidas e desconectadas do mundo... nunca me disseram que era obrigada a fazer o quer que seja.
Sempre que precisei de tomar qualquer decisão e lhes pedi opinião sempre tive a mesma resposta:

"Faz o que achares que é melhor, nós estamos aqui para o que der e vier."



Sempre fui eu que decidi tudo da minha vida!
Bem ou mal fui eu que decidi.
Sou o que sou hoje só devido a mim...

Fui educada e aprendi assim a cumprir tudo o que prometo e nunca prometer algo que não possa cumprir.
Fui educada a fazer e não prometer!!
Ou faço ou não faço e posso contar com os do meu sangue nesta mesma linhagem de ideologia.

Fui educada por uns pais muito jovens.
Eu nos meus quase 28 tenho o meu pápá quase nos 50 ( já só faltam 8 dias e ainda não te comprei uma prenda original!)

Original como tu o és para mim, meu pai.

Depois é esta minha educação que me faz chocar com os outros, que prometem e desprometem minutos depois, simplesmente não compreendo...

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

no silêncio da noite

Finalmente a chuva passou!

Hoje ao acordar e ver aqueles raios quentes e brilhantes iluminou o meu dia, para compensar a noite negra que tive.




O marido esta noite deve-se ter passado, ele nem já fala disso porque sabe que não tenho culpa... mas lá que se deve ter passado lá isso deve.
Somente tenho flash's mais nada. Sei que falei, sei que mexi, sei que chorei... sei que desta vez não me levantei.

Sei que é dificil para muita gente lidar com isto, para a minha mãe foi, para o marido nem tanto. Somente "ralações" como ele costuma dizer.

Com o que sonhei não sei ao certo. Lembro-me de ver animais mortos e estar num alto de uma telhado numa casa muito velha e conseguir ver todos os campos em redor. Lembro-me de ver gatos e cabras... muitas cabras.

Eu não sou sonâmbula, acho eu. Mas tenho muito mau dormir. Costumo dizer que durante a noite resolvo os meus problemas e fantasmas dos dias.

Normalmente costuma-se dizer que os sonhos são tipo um "horóscopo" da nossa vida, que a partir dele podemos saber o nosso destino. Confesso que este não sei o que significará, mas que me deu mau dormir lá isso deu.

Questões de corte

"Estica!"... e ele que meio encaracola
"Encaracola!" ... e ele que meio estica


Humpf!!!

Isto é o que faz cortar o cabelo num corte nem curto nem comprido, ele não vai para um lado nem para o outro. Não é carne nem peixe. Uma m****! :D

De resto está preto.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Primeira medição pós ginásio

Para que fiquei registado:

1) ganhei 0,5 cm de músculo em cada braço;

2) perdi 1 cm na barriga


... isto a 13/12/2007


Entretanto faz 2 meses e vamos novamente às medições. Isto lá é assim, todos os meses vamos à balança e à fita, ao medidor de gordura e massa muscular.
Aqui a minha colega é que foi, perdeu peso, perdeu cm em quase tudo. Eu cá sou mais comedida, ando a treinar para ser adversária do marido no taekwondo mas para isso preciso de mais uns cm nos braços e nas pernas.

Quase inacabado!!!

Diz-se que quando queremos tudo acaba bem e assim o é.

Hoje viste-me rir como já não ria há uns bons dias, hoje ri até fartar no trabalho ( também barafustei mas isso já é da praxe!), hoje falei com a minha mãe a acalentei o seu coração pequenino que sofre sempre por nós os dois aqui... hoje ela disse-me:

"Filha, como eu gostava de viver perto de ti!"

Ou eu de ti, mãe.

Talvez um dia, próximo ou distante, vítima de qualquer situação possamos viver as duas pertinho uma da outra. Para que possas, sempre que quiseres, vir utilizar a internet cá de casa e matar o teu gostinho ( sais à filha, sem sombra de dúvida) de vaguear e eu sempre que quisesse pude-se deliciar-me com os teus mimos e com a tua companhia.

Mãe, a minha vida tem alturas que parece um rally.


Mas é isto que me faz sentir tão viva e cheia de sorte como hoje.
Porque afinal Deus não dá ponto sem nó... nós muitas vezes é que nos emaranhamos no cordel e desistimos de nos queres soltar.

domingo, 6 de janeiro de 2008

...

"Percebes o que quero dizer?"


Muitas vezes ficamos sem resposta...
Será assim tão difícil fazer entender aos outros o que pensamos deles? Será que custa assim tanto ouvir uma opinião sobre nós?

Perdi em tempos a oportunidade de dizer o que pensava a muita gente que bem as merecia , mas agora não as desperdiço. Fria? Não, simplesmente sincera.

Hoje tive uma conversa séria com alguém que amo muito, esse alguém não me soube ouvir. Fiquei e estou magoada e sei que futuramente as coisas vão deixar de ser como têm sido até agora. Mas espero de coração que pelo menos, apesar da mágoa, tenham sido assimiladas e aos poucos e poucos regressemos ao mesmo patamar do nosso amor e confidencialidade.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

amor como é negra a água....

Tenho andado desaparecida... um pouco negra confesso.




Negra, aborrecida, chateada, irritada (ponto final) Todas essas coisas que não se querem no início de um novo ano mas que nos têm atingido. A almofada tem sido a nossa fiel conselheira e aos poucos temos conseguido ver alguma luz no meio desta escuridão.

E depois acontecem coisas que são dignas de ficarem registadas:

1) Desceram-me o ordenado... afinal o aumento não devia ter sido para mim. Bolas!!! O boss comprou um carro novo e 2 pc's topo de gama.... hummm (suspeito!)

2) Hoje fui despedida pelo contabilista da empresa. Serei eu tão boa peça? Mas o que faço mais ninguém aqui o faz por isso continuo na mesma (como a lesma!) como nos últimos 3 anos que ocupo este lugar, com obrigações triplicados e trabalhos dobrados.

3) Hoje fui ver quanto custava um carro imaginário. Sai carito...


São 15h35 neste momento e só agora me lembrei que ainda não almocei. Tenho ido ao ginásio quase todos os dias nem que seja só para estar deitada no chão a olhar para o tecto e conversar com a Ana ( a moça que faz o acompanhamento e dá a parte da aeróbica), hoje fui sozinha e dei-lhe até ficar bem cansada e moída e o stress quase que passou. Hoje estavam lá mais senhoras a inscrever-se e perguntaram-me porque andava eu lá se até era elegante "Eu não ando aqui para emagrecer, eu ando aqui para destressar!"

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

2008 já cá está e nós como estamos?

Estamos na mesma como a lesma!
Juntinhos à lareira, a Mafalda dorme no edredon rosa choque e o Ruca esse entrou em 2008 da pior maneira... de colar e sem uma parte do corpo. Já está castrado!!
Não me parece que ele esteja a gostar muito da maneira como vai ter que passar estes próximos 8 dias, mas lá terá de ser.

Ontem viemos cedinho para casa, para ver o nosso operado, o Hugo foi buscá-lo eram já 19h ao vet e com um nó na garganta tivemos que o deixar sozinho (ainda meio grogue da anestesia) e ir jantar e esperar pela passagem de ano... que foi com os sogros de volta dos doces, das passas e do espumante! Foi muito acolhedor. Sinto-me tão bem junto deles... faltou a minha cunhada mas o trabalho fala mais alto e lá foi ela para o bar até às tantas. Será que já dorme agora????

Amanhã já regressamos ao trabalho, eu de corte e cor de cabelo novos! Eu bem disse! Unhas tratadinhas e com um aspecto que nunca tiveram, até estou orgulhosa.

Começamos 2008 da pior maneira, mas diz o Hugo "vais ver que vamos acabar da melhor maneira" e isso é que importa!



Esta semana o Luís (o doutor dos gatos) vai para o States, leva na bagagem bem encomendado um pedido para se inteirar dos avanços da medicina na luta contra a Peritonite.

Prometeu, se assim o puder, trazer as vacinas que estão em estudo aqui para o miaus de casa.


Vá, vá que agora tenho que trabalhar... 25 artigos novos para meter no Leilão do MDA