sábado, 29 de dezembro de 2007

Ontem é que foi!

Ontem é que fomos só nós os 2, mais ninguém nem nada que nos distraí-se um do outro.
Ontem encomendámos o jantar, pusemos a mesa como manda a etiqueta, bebemos vinho espumante, tudo rodeado de inúmeras velas... só a luz das velas. Nada de televisão , música... nada!!
Depois do jantar e cozinha arrumada fizemos uma fogueira grande e bem quente, sentamo-nos junto a ela no chão e estreamos o novo jogo que tínhamos comprado à meses (melhor 1 caixa com 7 jogos diferentes, tabuleiros em vidro, peças em vidro.. coisa digna de exposição) e jogámos, rimos e tu ganhaste mais uma vez.
Ontem numa loucura escolhemos à sorte um colchão das 3 camas cá de casa, carregamos para junto da lareira, cobertores e almofadas e dormimos ali junto à sua luz e envolvidos pelo seu calor.

Ontem era quase meia-noite quando chegou o piquete da EDP, finalmente descobriram porque raio não tínhamos luz (nós e mais 1 vizinho), o que me deu vontade de rir porque somos 16 no prédio e nós os felizes contemplados!!!

Hoje já tomei banho, já posso fazer o almoço (2.ª feira já tenho cá a minha placa de vitrocêramica novinha... sim, fomos comprar outra), já lavei montes de roupa porque para mim mudar de ano implica limpar tudo e lavar tudo em casa. Tudo deve entrar impecável no novo ano.
Apesar de ontem, no meio de risos, termos falado que com o azar que andamos era melhor passarmos o dia 31 a dormir não fosse o Diabo tecê-las.


Hoje tenho que ir para o vet (mais outra!), o Ruca anda a vomitar vermes e vou pedir de joelhos ao Luís para me ficar com ele e castrar o bicho... eu amanhã prometo que o vou buscar. O sacana deu agora em andar a marcar território, o que não combina com limpezas e lavagens profundas.

Já voltámos das mini-férias fora de casa, não se nota nada. E soube tão bem, passar uns bons dias no colinho da mãmã e do pápá. Ainda vamos estar por casa mais uns dias e temos uma lista infindável de coisas para fazer antes da entrada do novo ano.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

ausência por curto período

Possivelmente só voltarei a dar noticias para o final desta semana!

ESTOU DE FÉRIAS!

Vou estar afastada da tecnologia durante este tempo... só se conseguir sacar o portátil ao mano é que darei noticias!!

Até ao meu regresso.

Agora vou ficar por aqui a ouvir e sonhar, de volta do meu álbum preferido de David Fonseca... a alimentar o ego do meu espírito.

a todos vocês


Hoje vão estar todos comigo, a minha família toda. Eles sabem o quanto tenho sofrido...
Já chorei, sinto-me lavada para a noite que se avizinha, desacreditada, confesso-me pecadora.
O marido saiu como sempre (aposto o dedo mindinho em como me foi comprar um mimo para nos alegrar!), tenho estado a preparar a mesa de Natal... este ano é cá em casa.
Não tenho árvore, não tenho decorações, não sinto o Natal! Sinto-me fria por dentro, enraivecida.
Mas tenho tudo limpo e um alma parcialmente limpa, mais resignada.
Hoje um primo meu veio visitar-me, só para falar comigo, só para rirmos um pouco! Só para me desejar um Santo e Feliz Natal...

Para o ano, se Deus quiser, sim porque eu acredito muito nele! Para o ano vou viver o Natal...

Mas para todo os meus amigos, quer sejam virtuais ou não, desejo do fundo do coração

Um Santo e Feliz Natal

domingo, 23 de dezembro de 2007

No Natal é sempre assim

Hoje sinto uma revolta cá dentro!
Não sei explicar bem, já há muito que não me sentia assim

Se chorar não acalma, porque muito já eu chorei
Se explodir não resulta, porque já gritei aos céus
Se me sentir vencida não me faz sentir melhor, é assim como me sinto e em nada apaziguou o meu estado de espírito

Hoje sinto-me triste! Tenho-me sentido triste nos últimos dias.
Uma infindável quantidade de acontecimentos me têm acertado em cheio na cabeça e no coração na última semana...
Sinto-me um pouco sem força para o que me espera nos próximos tempos!
Só o teu abraço me faz chorar mais, aquela choro e lágrimas vindas do fundo do coração, do fundo do meu ser.
Depois soluço, depois acalmo, depois falo o quanto me sinto triste, depois encosto a cabeça no teu peito e tento descansar.
Depois dizes o quanto estamos a começar mal, se passarmos isto muito mais conseguiremos suportar e alcançar juntos.

A vida têm-me metido à prova novamente! Tenho que ser forte e aprender com ela e vencer mais este obstáculo que nos foi colocado à frente...
Temos que aprender que nem sempre conseguimos aquilo que queremos quando queremos.
Agora, neste momento, estamos a ser forçados a deitar um sonho iniciado ao ar para conseguir resolver um grande problema.

Espero ter forças e coração para aguentar tudo e depois quando o mar acalmar começar tudo de novo... migalha a migalha!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Hummm.... (des)gostos

Quem me conhece sabe que eu não gosto muito do Natal, foi quadrada que mesmo em miúda pouco ou nada me disse.

Desde que trabalho aqui nesta empresa não consigo debater este sentimento de surpresa diária, quando pessoas com as quais nutro relacções meramente profissionais me presenteam inesperadamente com os mais variados mimos.

Hoje já cá cantam 2 garrafinhas, uma de Porto e outra de um vinho aqui da região. E ainda faltam um bom bocado para acabar o meu dia.

Agora subsídio de Natal, que era bom, viste-o!!

Mas não posso dizer que este ano acabo o ano maldisposta. Consta na minha última folha de ordenado que levei um aumento proporcional ao número de anos que aqui estou...3... acrescido de uns zeros. Mas até agora ninguém me disse nada, eu aqui nada sei e acho que o papel ainda não fala.

Fiquem bem e bom fim-semana

Resenha literária... novamente

Arrumei mais um livro na prateleira, bem mais rápido que os que tenho lido nos últimos tempos.

Confesso que após este fiz uma análise por tudo o que tenho vindo a ler e em que sentido tem crescido a minha biblioteca, em resumo: quase toda a minha vida li livros de autores estrangeiros, essencialmente de ficção, recentemente tenho adquirido muitos livros de autores portugueses (Pedro Rosado, Rodrigo Guedes de Carvalho, Luís Costa Pires entre outros) e tenho iniciado uma tendência para romances e histórias mais melodramáticas.

Mandrágora, foi um livro que me impressionou bastante, pela positiva. Antes de ler pesquisei muito sobre o autor, Luís Costa Pires, posso considerar como sendo da terra e impressionantemente novo para o que estou habituada a nível de literatura.



Um romance que apresenta uma luta contra vários fanatismos que conhecemos na nossa sociedade, essencialmente religiosos, sociais e acho que essencialmente é um livro que incentiva a liberdade de pensarmos, fazermos e sentirmos o que quisermos. Seguirmos os nossos caminhos e fazermos as nossas opções sem ligarmos ao que os outros poderão pensar e dizer, é um livro que nos apresenta uma história de amor quase surreal, mas que venceu.

Um choque em o celibatismo e a devacidade...

Mandrágora, uma planta com raiz em forma de mulher. Bela, devassa, envolvente, ligada a feitiçarias e a pactos com o diabo.
Uma planta afrodisíca,alucinógena, analgésica e nárcotica.
Uma planta repleta de lendas e superstições, que grita como gente quando é arrancada da terra, que tem como semente o sêmen de um homem enforcado, entre muitas outras que poderemos encontrar por pesquisa na net.

Tive a tentação de pegar logo no outro livro que possuo deste autor, Depois da noite, mas contive-me. Mentalizei-me que iria ler outra coisa e depois sim retornaria a este escritor.
A opção recaiu sobre um livro já antigo que trouxe de casa dos meus pais nas minhas últimas incursões ( o marido já considera a urgência de comprar estantes para meter os meus livros), Vai onde te leva o coração de Susanna Tamaro.
Há uns anos tentei por diversas vezes ler este livro, mas maçava-me e era sempre posto de parte... principalmente na mesa de cabeceira da minha mãe que o leu vezes sem conta. Ele esperava ali que chegasse esta minha fase, esta minha maturidade para ingressar em livros mais arrematadores ao sentimento. E tem chegado aos poucos...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Está quase

Para a semana estou novamente de férias.

Não é que me sinta necessitada mas porque é da praxe, parece que ainda tão pouco tempo vim de férias e agora retorno outra vez a casa.
Estas férias vou passar uns dias a casa dos meus pais, as saudades são coisa que me tem pautado todos os dias dos últimos dias...
Estas férias vou passear pelos meus campos, nem que seja debaixo de chuva ou vento.
Vou pegar na minha enxada e remexer a terra que tanto gosto, vou trabalhar!
Estas férias vou comer bolos do forno a lenha, vou dormir encostadinha à lareira.
Vou ao café central e sentar-me ao lado de quem me viu crescer e tornar mulher.


Estas férias vou mudar qualquer coisa em mim!! Isso já está certo.
Nos últimos tempos tenho mudado tanto e feito coisas que nunca estiveram nos meus planos e sabe tão bem.

Estas férias vão correr tão rápido que vou chegar ao dia 2 sem ter dado conta.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Aprendizagem

Muito ocupada....

Hoje passei o dia a aprender a trabalhar no Coreldraw. Já estou quase pró nisto é só mais umas horitas.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Gosto deles assim

Posso desabar primeiro?
Bolas, estou aqui possessa, a minha placa de vitrocerâmica acabou de rachar de uma ponta à outra logo após ter feito o jantar. A 3 meses de acabar a garantia... está-me a apetecer esfolar alguém!

Prontos, já desabafei!


Finalmente estou em frente ao pc, passei um fim semana daqueles em que no domingo à noite nos deitámos e apagámos completamente.
(...)

Seguiram hoje 170 postalinhos de Natal da empresa "all made" por mim. E afinal estavam bem bonitos!!

Continuando a saga do sábado, uma visita demorada a uma familiar que por motivos de força maior não pode ir ao nosso casamento.

Arranquei em grande velocidade para o salão de beleza onde fui fazer o já tantas vezes marcado banho de lama e que me fez tão bem... sai de lá completamente renovada, com direito a manicure e tudo.

De saltada fomos à Exposalão ver a Exposição de Animais de Companhia para matar saudades ( em carne e osso, especifico) do meu pessoal do MDA e trazer uma carrada de coisas para meter no Leilão Online. Algumas delas confiscadas logo pelo miaus cá de casa, que agora obrigam o paizinho deles a fazer os devidos pagamentos dos bens adquiridos.

Um jantar de Natal da empresa do Hugo, não conhecia ninguém (senti-me estranhamente a leste) mas no final o "boss" dele conquistou-me com um casaco lindíssimo preto como prenda de Natal, um sorriso e um "muito prazer em conhecê-la". Amigo, tu estás cá!

Seguiu-se (ainda continua, foi non-stop este fim-semana) um concerto na sede das Figueiras e ai digo-vos que foi mais uma a juntar ao meu bloquinho de memórias. Já não morro estúpida (como dizem os meus pais), digamos que era um concerto satânico, com direito a banquinha logo à entrada a vender artigos alusivos e t-shirt's da Associação Portuguesa de Satanismo... que por acaso até eram bem giras.

E agora perguntam, tal como os meus pais ontem me perguntaram, que raio fui eu fazer a um concerto de bandas destas numa cave um tanto ou quanto suspeita?
Eu não tenho a culpa que nas 5 bandas que actuaram em 3 delas ter colegas meus, que inclusive alguns deles foram ao meu casamento.




Domingo, 8h30 já estava em casa dos meus pais, festa de aniversário e finalmente o apresentar do meu albúm de casamento. A lista de fotos para mandar fazer cresceu em escassos segundos!!
E foi tão bom chegar a casa ao final do dia, deitar na cama e nem ter tempo de desligar a televisão acabada de ligar...



este post combina em tudo, foto de postais de Natal e foto de concerta satanico... por este andar não sei onde vamos parar

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Diário de uma lua-de-mel / Dia 4

E porque ontem já lá vão 2 meses eu lembrei-me "E o meu diário, raios!"

Por isso vamos ver se acabo o resto.

No 4.º dia a nossa paragem foi em Roma, vimos o sol nascer.

Sabiamos que seria o dia mais cansativo de toda a viagem, tinhamos adquirido uma excursão de dia inteiro e nem faziamos ideia da estafa que nos esperava.


Depois da luta com os rádios, que me fizeram lembras as excursões dos chinocas, todos de auscultadores a ouvir as explicações da guia... a nossa foi em tudo igual. Tirando que era tudo em espanhol.

Esta excursão foi totalmente escolhida pelo Hugo e assim como primeira paragem tivemos o Coliseu.


O bracinho que podem ver era do nosso guia, 30 e poucos anos, divorciado e que dizia para não irem pedir referências dele à ex-mulher porque seriam das piores que poderia ouvir (um gajo 5 estrelas). Com quase todos os guias que tivemos criamos uma relação de amizade e de simpatia que agora, passado tanto tempo, gostariamos de os voltar a ver. E este sem dúvida é um deles.



O Coliseu é enormissímo, assim mesmo algo gigantesco. Pena já não ser nada como nos filmes que vê-mos, foi em parte desmontado para construir outras monumentos em Roma (principalmente o Vaticano).

Neste dia tivemos oportunidade de vaguear pela cidade, pelas suas ruelas e avenidas movimentadas. Ver e visitar igrejas, forúm, praças... tudo.



Lá tudo era de dimensões assustadoramente gigantescas. Monstros de mármore e pedras várias.

Agora o trânsito, ui... Quais sentidos proibidos, quais duplos traços contínuos, quais passadeiras. Lá regras de condução não existem!

Aqui quase estávamos em plena rotunda, não marcada claro! Queria tudo seguir pelo mesmo lado e no meio disto ainda em zig-zag passam centenas de motoretas. Um espectáculo!!


Paragem obrigatória na "Fontana di Trevi" com a sua lenda e demais histórias. Nós por via das dúvidas não mandámos nenhuma moeda, não fosse o diabo tecê-las.


A passagem pela praça mais linda que vi em toda a minha vida. É pena que uma simples foto não possa transportar os aromas e melodias que se ouviam, mesmo ao meu lado tocavam violinos, acreditam?


Para quem estiver interessado, chamava-se "Piazza Navona".

Segui-se o almoço num restaurante numa avenida super movimentada. Claro que foi lasanha e acompanhada da "asquerosa" (desculpem o palavrão) da água gaseificada deles.

Seguiu-se o Vaticano!! Sim, porque ir a Roma e não ir ao Vaticano é um crime, mas não vimos o Papa...

Pessoalmente não gostei, a ostentação da riqueza e toda a panóplia de guardas e limitações às visitas eram irreais.



Enquanto estávamos na fila para entrar... eias a bela foto do tempo italiano.

Não vou apresentar fotos do interior, apesar de as ter, eram muito reservados a que se tirassem fotografias... nem do túmulo do Papa João Paulo II, esse estava mesmo protegido por um guarda a proibir qualquer tipo de fotografias.
Mas digo-vos que de todos era o mais lindo, mas vindo de mim é suspeito, porque apesar de não ser totalmente praticante da Igreja cristã sou seguidora dos ensinamentos deste que acho ter sido o melhor papa que algumas vez tivemos.


Á noite e depois do jantarzinho e de uma passeata pelo barco, aproveitando o rápido acesso de rede móvel que tivemos ( que durante todo esse dia andámos desconectados do mundo) mandei uma mensagem rápida à minha querida Sílvia a desejar um feliz aniversário. Nem por lá nos esquecemos dos amigos!!

Próxima paragem: Napóles!

E porque ontem foram 2...

2 abraços
2 beijos trocados
2 mãos dadas
2 olhares
....
só para te dizer o quanto te amo!

Ontem dizias-me como era possível o tempo passar tão rápido, ainda te parecia que tinhamos casado a semana passada e já 2 meses lá vão.
Ontem dizias-me que sim! E eu sei-o bem aqui no coração, mas dizeres sabe sempre tão bem.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Velas e feitiços, lábios negros e vassouras

Posso dizer que ontem tive um dia que foi um autêntico bruxedo!!!

6h da matina e já estava de pé depois de uma noite muito pouco dormida devido a uma jantar "amariscado" com clientes.
Apanhar o expresso (sim, eu agora que degustei da qualidade de vida que é andar de transportes públicos nunca mais quis outra coisa) e fui passar o dia à nossa linda cidade universitária, Coimbra.
Uma acção de formação me esperava e isto coisas de trabalho não perdoam e cada vez as minhas responsabilidades são maiores.
Um almoço delicioso à beira Mondego, sol, um bom livro... já não me sentia assim tão bem há imenso tempo.

Foi um dia maravilhoso, mas estou tão moída!!


A música foi outra companhia, amante de rádio como sou também essa me acompanhou. Não me escaparam as notícias e as horas de música o mais variada possível. Depois dormi a ouvir o último cd de Mika e que recentemente entrou no meu mp3.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Novo desafio

Quanto mais vou conhecendo e travando amizades na net mais me vou envolvendo com pessoas fantásticas e com quem tenho a alegria de partilhar o meu dia-a-dia. Muitas mesmo só as vou conhecendo virtualmente por muito tempo, até que se concretize o conhecimento efectivo de quem estava do outro lado do monitor. Assim foi com a Manuela, assim foi com a Sílvia, assim foi com a Cláudia, a Mónica e muitos mais (algumas que foram convidadas de honra no meu casamento!).

A semana passada fui convidada para mais um desafio bloguistico! Sou oficialmente e já apresentada como Desencalhada Conselheira lá no blog dos Encalhados de Sucesso, coisa chique garanto. Mas algo que me vai dar muita luta porque eles discutem assuntos que acho que devem ser debatidos em todas as relações, todas as dúvidas que se têm, partilham as alegrias e as tristezas... tudo o que é típico do nosso coração.

Não é que eu tenha muita experiência mas são estes desafios que me dão mais motivos para me descobrir mais profundamente a mim própria.

E quanto às ESES ( Reuniões Semanais dos Encalhados de Sucesso) sempre que puder estarei presente.

Resenha literária

A semana passada acabei de ler o livro que trazia entre mãos, entre pastas, entre lãs e agulhas. Era um livro pequeno de folhas curtas e de leitura rápida, mas agora eu dedico-me a ler em qualidade e esforcei-me para ler somente uma carta por dia.

O livro foi-me oferecido pela Sílvia, assim com aromas de prenda de casamento.


Em resumo trata-se das cartas de amor escritas por Kahlil Gibran a May Ziadah, salientando que eles se conheciam "unicamente através das cartas que trocavam e das obras de cada um. No entanto, a sua correspondência iria manter-se a vida inteira, tal como o seu amor."

Como já é normal marquei algumas linhas que achei de uma beleza indescritível:

"O sono beijou-te os olhos. Não negues que o sono te beijou os olhos. Eu vi-o beijar-tos. Vi-o beijar-tos assim, dessa maneira! Por isso poisa aqui a cabeça neste ombro, e dorme, dorme, minha pequenina, dorme pois estás em casa, no lar que é teu. Eu, por outro lado, ficarei acordado, ficarei acordado e farei vigília até de manhã."

"Neste preciso momento ocorre-me um pensamento glorioso. Ouve, minha querida: se alguma vez tivermos de discutir (quer dizer, se a discussão for inevitável), não devemos ir cada um para seu lado como já aconteceu no passado, após cada "batalha". Deveremos permanecer, apesar das nossas divergências, sob o mesmo tecto, até estarmos fartos da discussão e começarmos a rir, ou então até4 que a discussão se farte de nós e nos deixe com um abanar de cabeça."

in "As mais belas cartas de amor" de Kahlil Gibran


Para quem não se lembra, este foi o escritor do qual utilizei excertos de textos no meu casamento e que muita gente não conhecia e ficou a adorar ( a mulher do meu patrão foi uma delas).

Aqui fica um pedido ao Pai Natal ( ou às pessoas que andam a escolher prendas para mim) : se mais livros dele vierem no saco serão muito bem vindos!

Agora surge-me a eterna dúvida "Que livro vou ler a seguir?"
É que o outro que ando a ler, devido ao seu enorme tamanho e peso, fica um pouco insuportável andar a passeá-lo dentro da minha mala.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

A ritmo lento... passo de caracol

"Não chores, só vai fazer com que te sintas mais tonta e te doa mais a cabeça!"

Ainda continuo doente (ponto final)


Mas existem coisas boas que vão alegrando os meus dias que têm sido um pouco acinzentados, o marido (claro!) e finalmente o nosso álbum de casamento. Fomos buscar ontem, está tão lindo, tão simples que nem me atrevo a levar a cabo os meus planos de forrá-lo. Simplesmente adorei a sua sobriedade, não se parece nada com os álbuns normais que se vendem por ai e como muitos que eu vi. E a composição no seu interior não podia ter sido a melhor, adorámos.





Fotos de Carina Vieira

E sim! Também tivemos um duo de meninas de prenderam o burro porque queriam levar um vestido igual ao meu.

A Carina ficou uma amiga nossa e já contratada para outros serviços nossos e de alguns dos convidados que adoraram a ela e ao trabalho dela.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Genes ou génios

Desde ontem que me tenho sentido doente, algo se passou e não percebi nem ninguém percebeu o que foi.

Resisti como fiel gladiadora à ida ao médico, mas hoje sinto-me triste.

O facto de ter passado uma noite inteira a esforçar-me para não deitar a cabeça na almofada, o cansaço e ainda réstias das tonturas fizeram-me sentir muito carente!

Só me apetece pegar nas minhas tralhas todas e ir para casa, para o sofá, para a lareira, para os gatos e para o chocolate negro ( que agora tem sido diário numa tentativa de controlar a tensão arterial... sim ando com problemas com a minha tensão!)

É em dias destes que penso nos meus pais e em como gostava que eles vivessem pertinho de mim, eles são os culpados deste meu nervo génio ( sem querer roubar créditos à marca!).


E porque eu sou: a cara chapada da mãe e o mau feitio do pai!

Adoro-os e prontos! São eles que me arrebitam em dias como estes e me fazem sempre mais feliz.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Temas tabus

Desde a semana passada que tenho algo para contar, algo que passei e que me ficou aqui a "cutucar" todos os dias e me revolta. Aconteceu pela mesma altura em que escrevi sobre a morte e falámos dos temas tabus para a nossa sociedade, existem bem mais que haviam de ser falados à boca cheia, acalentados os corações de quem os passa e não abafados em sorrisos constrangidos.

A semana passada fui à minha sessão de depilação a lazer, como vem sendo hábito, agora num outro local e onde já tenho uma certa confiança com as funcionárias e fui abordada com a seguinte conversa:

- Então e bébés? Já lá vão 2 meses?

Eu ri-me e respondi que a minha cegonha deveria ter virado o mapa ao contrário e ter ido entregar as ditas criancinhas para a China.

- Vá, mas têm que começar a pensar nisso e decidir se querem e para quando?

Eu quase com vontade de perguntar se queriam que eu fizesse um desenho respondi que já tinhamos passado essa fase à 1 ano atrás.

- Então e quando começam a trabalhar nisso?

Eu mesmo a ver que ela estava a querer levar uma resposta daquelas fui simplesmente curta e concisa, disse que já andávamos a tentar à 1 ano, que já tinhamos andado a fazer tratamentos e que estávamos a ser seguidos por 2 médicos e que não descobriam o problema.

Fiquei sem resposta!!

Simplesmente vi pelo espelho encolherem-se, olharem umas para as outras como se tivesse pena de mim ou o raio. Como se sofresse de uma doença grave ou não fossemos perfeitos!

Fiquei irritada!!

Até parece que a palavra INFERTILIDADE é algo de outro mundo, não é a morte! A vida não acaba aqui...
Falar de temas tabus com naturalidade ainda choca muita gente e causa um transtorno e ambiente pesada. Mas será que não havia de ser nestes casos que as pessoas deviam de falar mais?

Mas isto sou só eu a dizer...



Eu acredito que todos estamos destinados para algo, por mais ingrato que a vida nos pareça ser só a nossa maneira de lidar com ela nos define como seres felizes ou infelizes! Em todas as fases da nossa vida temos acontecimentos que vão contra o que queriamos mas há que aprender com eles.

A vida é como um caminho, um longo caminho à beira mar, nem todos são capazes de fazer o percurso sem tirar os olhos do chão e ver a paisagem... as ondas, as gaivotas, as tempestades ao longe, passam todo o tempo a olhar para o chão, as pedras, a sujidade, a tentar andar mais rápido e tropeçar.
Hummm, assim não vamos lá!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Contradições

Eu nos pós fim-semana perco muito a vontade de escrever, talvez pelo stress ou muitas vezes devido à tentativa frustrada de cumprir agenda muitas vezes cheia demais... tarefas ou emoções carregadas demais para mim.

Mas este fim-semana marcaram-me contradições

Boas
Trabalhar na minha bancada em peças novas e ter o marido a tocar baixo nas minhas costas. Os dois ali costas com costas (como passamos muito tempo), a conversar, a rir... a viver

Sentada no chão juntinho à lareira de volta das minhas lãs, a inventar, o marido a meu lado e os gatos a dormir aos nossos pés na sua mantinha polar


Más
Tentar trabalhar na minha bancada em peças com data marcada de entrega (tipo para ontem) e o marido experimentar acordes no baixo de música da pesada... em que vai falalhando quase todos

Sentada no chão juntinho à lareira de volta das minhas lãs a tentar engendrar um cachecol com um ponto de outra peça qualquer, os gatos fugirem-me com os novelos, queimar-me com uma carrasca e o marido ainda me vir tapar o calor



Ontem aclamei ao mundo que gostava que os domingos não existissem e que gostava de vir para a agência todos os dias... mas hoje já mudei de ideias.